Ir para conteúdo

Os Melhores


Conteúdo popular

Mostrando conteúdo com a maior reputação desde 08-11-2018 in todas as áreas

  1. 16 pontos
    "Tudo começa com os nossos nomes. Você não nasce com um nome, você nasce como um ser biológico, uma criatura sem identidade e apenas instinto. Mas, porque você ouve toda a sua vida que seu nome é seu nome, ele terá um importância especial para você, ele vai se destacar na multidão. Se você está em um lugar lotado e você ouve ele, sua cabeça se acordará pra aquilo, mas se você ouvir o nome de outra pessoa, você nem fica consciente disso. Da mesma forma, sua nacionalidade, sua identidade cultural, sua religião, sua educação, sua filosofia, é tudo dado a você durante sua vida, quer você queira ou não. Você recebe um ""quadro de referência"" para a realidade e seu cérebro filtra a informação de acordo com essa imagem da realidade. Certas coisas são marcadas como importantes (como seu nome) e outras coisas são marcadas como irrelevantes. Um dos neurotransmissores que são fundamentais para esse processo (mas não é o único) é a serotonina. A serotonina é um dos neurotransmissores mais versáteis que temos, envolvidos no coração, no desejo sexual, na felicidade, na fome, no humor e na regulação da informação no cérebro. O que o LSD faz é muito especial, ele mostra a serotonina outros caminhos (que já estavam lá), e isso é o que é realmente especial sobre psicodélicos, ele dão outros caminhos, eles substituem o princípio central pelo qual seu cérebro regula determinados tipos de informação. Basicamente, o que acontece, é que seu ""quadro de referência"" é removido e você experimenta partes da realidade que estavam sempre lá, que você conheceu, mas nunca teve consciência. Você experimenta partes de seu próprio cérebro que estiveram sempre lá, mas nunca chegaram à superfície porque não se encaixam na visão do mundo que você recebeu. As memórias antigas são melhor compreendidas, os sentimentos são colocados em um contexto completamente diferente, etc. Então, qual é a coisa mais importante a lembrar ao tomar LSD? Que você precisa se render a ele. Tudo o que ele faz, é mostrar-lhe o conteúdo de um cérebro que anda com você cada segundo da sua vida. Você deve aceitar. No núcleo, você é quem você é, você é essa pequena criatura que nasceu com certos instintos, um certo cérebro, certos genes, sem um nome ou identidade. Sua identidade é simplesmente uma camada, um filtro que é rebocado sobre esse núcleo. Quanto mais você ama e aceita esse núcleo, menos provável de você ter uma experiência ruim. Espero que todos aqui tenham viagens seguras e felizes :)" _____________________ Por ""butkaf"", um membro do fórum /LSD no reddit: https://www.reddit.com/r/LSD/comments/3ae7dg/the_most_important_thing_to_remember_when_taking/
  2. 13 pontos
    Guia criado pelo The Third Wave , com base em informações do famoso livro “The Psychedelic Explorer's Guide: Safe, Therapeutic, and Sacred Journeys” de James Fadiman, um psicólogo e escritor americano reconhecido por seu extenso trabalho no campo da pesquisa psicodélica e um estudioso das microdoses. Neste artigo, mergulharam de cabeça em descrições para cada "S" e por que é fundamental manter todos os eles em mente para uma grande e segura experiência psicodélica. ________________________ >>Set: O 'Set' Inclui a preparação e as expectativas suas e do seu guia, antes de embarcar em uma experiência psicodélica. Antes de uma experiência psicodélica, deve-se fazer uma série de preparativos. Primeiro, é preciso abordar a experiência psicodélica como uma experiência de três dias, e não uma trip de um dia. No primeiro dia, reserve tempo para autorreflexão e passe parte do dia na natureza. No segundo dia, a substância e o terceiro comece a integrar a experiência e a registrar suas descobertas e percepções. Durante o primeiro dia, registre seus pensamentos relacionados à experiência: • Quais são seus conceitos sobre experiências psicodélicas? • O que você espera que ocorra durante a trip? • O que você espera aprender? Compreender algo? Resolver algo? • Quais são seus objetivos? Você tem objetivos espirituais? Objetivos psicológicos? Objetivos sociais? Recreativos? Discuta esses pensamentos com uma pessoa confiável. Ela pode esclarecer quaisquer preocupações que você possa ter, ajudando você a experimentar uma sensação mais profunda de calma. ________________________ >>Setting: O ‘setting’ é o ambiente em que ocorre a trip. Inclui o ambiente físico e o espaço para a trip. Se você decidir usar dentro de casa, sozinho (não recomendável para pessoas com pouca experiência), leia o outro artigo abaixo: COMO SE PREPARAR PRA UMA EXPERIÊNCIA PSICODÉLICA SOZINHO! Se for usar ao ar livre, a substância criará uma experiência mais extrovertida. Se ligar à natureza torna-se uma parte essencial da experiência. No entanto, mesmo se estiver ao ar livre, certifique-se de que haja um espaço para se deitar. Muitas trips combinam essas duas atmosferas. Eu tive muitas viagens onde eu começo minha viagem fora de casa e me retiro para um ambiente interno mais tarde. Alternativamente, pode-se experimentar o período mais intenso de uma viagem de LSD num ambiente interno e, então, explorar a natureza. Em termos de atmosfera, a música é crítica para uma experiência esclarecedora. Na verdade, de acordo com o livro de Fadiman: ""A maioria das culturas que usam plantas para se curar ou revivificar espiritualmente, usa música facilita a transição de um nível de consciência para outro e para aumentar o sentimento de segurança, fornecendo suporte não verbal"". Fones de ouvido ou um sistema estéreo funcionarão. Separe sua playlist com músicas que te deixam tranquilo. Não necessariamente um Psytrance com bpms elevados serão legais na primeira experiência. Tente optar por músicas mais suaves. Ao colocar para tocar sua playlist, fechar os olhos aumentará o impacto. Para melhorar a experiência, use um tapa olho, um travesseiro ou um pano macio para criar uma sensação de escuridão completa. Evite músicas com letras após a primeira hora. Pode ser uma distração Aproveito para recomendar um grupo: “Músicas para viagens enteógenas”: ________________________ >>Substance (substância): Qual substância você está usando? Qual a dose ? Você conhece sobre ela? Conhece a duração? Os possíveis efeitos? Testou antes de usar? Todas as respostas são guias para os outros "S". CATEGORIA DE INFORMAÇÕES SOBRE PSICODÉLICOS CATEGORIA DE DÚVIDAS SOBRE PSICODÉLICOS ________________________ >>Sitter (guia / cuidador): Você tem um guia para a sessão? Alguém para cuidar de você? Para qualquer usuário de psicodélicos (especialmente um novo usuário), recomenda-se um “sitter” para sua viagem. Um guia ideal é alguém que tenha uma vasta experiência com a substância pretendida . Os guias devem estar sóbrios. É como o motorista da rodada. Ele atua como uma figura reconfortante no meio de uma experiência desorientadora. Ele ou ela cuida da configuração física, monitora a música e, o mais importante, atua como um pilar sensível de apoio para o viajante. Se você não tem um sitter, você deve gerenciar mais ainda os outros 5 S's. Além disso, como ajuda adicional, pode ser uma boa ideia alistar a ajuda de algum outro amigo, mesmo que ele ou ela não tenha experiência com o uso de psicodélicos. E se ainda assim for usar sozinho, veja: COMO SE PREPARAR PRA UMA EXPERIÊNCIA PSICODÉLICA SOZINHO! 6 PASSOS PARA AJUDAR ALGUÈM EM UMA EXPERIÊNCIA PSICODÉLICA DIFÍCIL CRISE PSICODÉLICA ________________________ >>Session (sessão): Sessão refere-se ao tempo geral para uma viagem e aos aspectos particulares de uma viagem. Uma das maiores incógnitas para novos usuários de psicodélicos é como a viagem se desenrolará. A maioria das pessoas que desejam usar entende a infinidade de benefícios associados ao seu uso, mas poucos indivíduos estão familiarizados com a progressão horária de uma sessão. O que acontece uma vez que você coloque o pequeno pedaço de papel em sua língua? Enquanto os detalhes precisos de cada viagem variam de acordo com o indivíduo, os estágios gerais permanecem os mesmos. De acordo com o livro citado no começo do artigo, existem seis etapas para uma sessão psicodélica (com LSD, no caso): • Ingestão • Onset • Se deixando levar • Platô • O repouso tranquilo • O fim formal da sessão -Etapa 1 e 2: Ingestão e o onset: Os estágios 1 e 2 demoram cerca de uma hora. Depois de consumir o LSD, use esse tempo restante (1 hora) para conversar com o seu sitter. Há algum pensamento adicional que você tenha relacionado à experiência? Pergunte sobre eles. Você se sente ansioso? Expresse essa ansiedade. É melhor expressar todas as preocupações antes que o psicodélico comece a afetar você. Uma vez que você começa a sentir os primeiros efeitos, você pode querer se deitar. Se você escolheu um setting interno, como sua casa, isso será fácil. Durante esse início, tente estar em um estado de relaxamento. Observe sua respiração como uma espécie de exercício meditativo. Essa é a hora de tocar a sua playlist separada pra trip. Sua consciência da realidade em breve irá ser afetada. Você começará a perder o controle. Um pequeno estado de embriaguez começará a afetar você. Faça respirações profundas e meditativas, observando os cinco sentidos. Como parte desse início, sua mente também será bombardeada com novos pensamentos. Tente não se surpreender. Em vez disso, aproveite a onda de imagens e impressões. Observe-os como um curioso espectador. Não tente controlá-las. -Etapa 3: Se deixando levar: Após a compilação inicial vem o estágio que é chamado de ""Opening e Letting Go"" no livro de Fadiman. Durante esta fase, sua mente é consumida com os efeitos do LSD. O terceiro estágio geralmente dura 3-4 horas e joga o usuário em um mundo desconhecido. Você deve se soltar completamente durante o estágio três. Jogue fora todos os pensamentos, sentimentos e preocupações que você não precisa para a trip. Libere-se todas as expectativas sobre a sessão. Deixe de lado quaisquer preocupações pessoais ou questões pessoais. Deixe de lado cada experiência, sentimento ou evento visual. Quando você deixa o controle, você se habilita a experimentar essa nova dimensão da realidade. A sua consciência dessa realidade alternativa se aprofunda, e você entra completamente no coração da viagem psicodélica. Ao se deixar ir, você pode sentir sentimentos incomuns, um pouco preocupantes. Esses sentimentos podem ser físicos ou emocionais. Em trips de amigos, alguns descreveram esses sentimentos como ""estranhos"" e ""incomuns"". Se seus pensamentos começam a te assustar, fale com seu sitter para obter apoio. Peça ajuda se precisar. -Estágio 4: Platô No estágio quatro, você se acalmou para o seu novo estado de espírito. O efeito agora te permite sentir-se normal em vez de alienígena. Quando você entrou nesta etapa adicional de liberdade, sinta-se livre para novos movimentos. Durante esta fase, você sentirá como se você pudesse funcionar novamente dentro dos reinos normais da sociedade. A realidade parece menos inacessível, mas você ainda se sentirá “chapado”. Mesmo que o clímax da sua viagem tenha passado, você continuará a experimentar novos conhecimentos sobre a vida. Aproveite esta oportunidade para fazer o que quiser. Se você deseja ficar quieto e ouvir música, então faça isso. Se você quiser se levantar e caminhar, sinta-se livre. O estágio do platô é de 2-3 horas. -Fase 5: O repouso tranquilo: Como a característica definidora do estágio quatro é a aclimatação, a característica definidora do estágio cinco é uma reatividade lenta com a realidade. Seu estado de embriaguez começa a se dissipar e sua capacidade de pensamento racional reaparece. O estágio cinco é um excelente momento para fazer um trabalho pessoal. Você poderá integrar grande parte de sua experiência aprendida na vida cotidiana. Faça um diário e anote qualquer conhecimento da sua viagem. O estágio cinco também é um excelente momento para sair e desfrutar da natureza. Um dos sentimentos universais provocados pelos psicodélicos é uma unidade com a natureza. Experimente essa união com árvores, plantas, animais, represas, lagoas, cachoeiras ou a própria Terra. -Etapa 6: O fim, formal, da sessão: À medida que seu estado de embriaguez continua a diminuir, você ainda experimentará novos pensamentos e padrões de sua viagem ao LSD. Observe estes pensamentos. Anote-os se você se sentir inclinado. O fim de uma trip de LSD muitas vezes traz um sentimento de imensa gratidão e apreciação pelas relações em sua vida. Você sentirá uma onda de amor e aceitação de pessoas próximas a você. Se você deseja chamar essas pessoas, limite suas chamadas para aqueles que têm experiência com psicodélicos. O final de uma sessão formal também é um excelente momento para integrar o que você experimentou. Pegue um diário, crie certas categorias de vida (social, psicológica, hábitos, etc.) e anote quaisquer pensamentos relacionados a eles. Tenha em mente, estas são visões muito gerais das diferentes fases. Em cada estágio, a experiência pessoal será diferente com base no indivíduo. ________________________ >>Situation (situação): A ""situação"" refere-se a como o usuário integra a experiência em sua vida. Começa com o final da sessão formal e se estende por semanas, ou mesmo meses. Faça um esforço para descobrir o que mais lhe interessou na sua experiência: Você teve alguma visão inovadora sobre seus hábitos, ações diárias ou processos de pensamento? Há pessoas na sua vida a quem você deve chegar? Ou, alternativamente, pessoas que o trazem algum negativismo e você deve cortar? Seja paciente consigo mesmo ao tomar essas decisões. Não faça grandes mudanças de vida nas primeiras semanas. Em vez disso, dê tempo para integrar sua experiência. A exceção seria parar comportamentos tóxicos, como o consumo excessivo de álcool ou outras drogas. Se você pretende conversar com os outros sobre sua experiência, entenda que muitos não estarão interessados. Lembre-se, sua viagem psicodélica é principalmente uma experiência interna. Mantenha interna. Cresça com isso. Use-a para ajudá-lo a alcançar um nível mais elevado de autoconsciência. Você pode usar nosso fórum para relatar. Veja a categoria de relatos: CATEGORIA DE RELATOS SOBRE PSICODÉLICOS ________________________ Complemento: Quando devo usar novamente? Como com outras experiências positivas, você pode ter vontade de usar novamente. Depois de tomar o LSD pela primeira vez, experimentei muitas vezes ao longo dos anos seguintes. Eu tinha 18 anos na época e, se eu pudesse voltar, abordaria minhas experiências psicodélicas com mais cautela. Depois de começar a estudar mais, ainda usei muitas vezes todo fim de semana, também me arrependo. Hoje, eu entendo que deve ser usado com um propósito, como um ritual, mesmo que seja numa frequência maior. Um período de tempo confortável para a maioria das pessoas é de pelo menos 3 meses. Isso, se tratando de experiências com doses elevadas, não estou aqui para ditar nenhuma regra. Mas com minhas experiências eu acho que é necessário esse tempo para integrar a aprendizagem e os conhecimentos em sua vida quando se tem uma experiência muito forte. ________________________ Fonte: https://thethirdwave.co/set-setting-lsd/ Recomendações: REVISITANDO A TERMINOLOGIA SUBSTANCE, SET & SETTING
  3. 12 pontos
    É físico, mental ou ambos? Por Suzannah Weiss Depois da minha primeira cerimônia de ayahuasca, na qual não senti quase nada, ouvi com inveja um homem que vomitava enquanto imaginava Donald Trump. O presidente representava tudo de vil para ele, disse. O facilitador do retiro explicou que as pessoas que tomam ayahuasca (um chá feito de uma planta amazônica alucinógena e consumida em cerimônias xamânicas) muitas vezes sentem que estão expelindo toda vileza dentro de si quando vomitam. Então, antes do meu primeiro vômito de ayahuasca durante a minha terceira cerimônia, peixes podres apareceram no interior das minhas pálpebras, e a palavra “vil” também veio à mente. Depois, a visão dos peixes desapareceu. Muitos descrevem experiências semelhantes. ""Eu estava me sentindo mal no estômago e falava com uma força exterior, quase como um guia"", diz Kristy Belich, um comediante de 31 anos na área de Washington, DC. ""Eles me disseram: 'Chegou a hora'. Eu tinha um pequeno balde ao meu lado e eles me disseram para vomitar até que a luz verde parasse. Na terceira vez, a luz do vômito era laranja e amarela"". Nick Polizzi, 39 anos, de Boulder, Colorado e autor de ""A Ciência Sagrada: Um Antigo Caminho de Cura para o Mundo Moderno"", também se lembra de um profundo vômito de ayahuasca. ""Uma pressão estava crescendo dentro do meu corpo, encapsulando todo o sofrimento e o tormento, subindo pelo esôfago como mercúrio em um termômetro"", lembra ele. “Meus olhos se abriram e da minha boca saiu um som que eu não sabia ser capaz de fazer. Foi um gemido demoníaco, direto de um filme de terror. Eu me atrapalhei no escuro procurando pelo meu balde, e o encontrei bem quando um rugido ainda mais alto escapou da minha garganta, acompanhado por algumas doses de vômito. Naquele momento, toda a desorientação e medo cessaram"". Talvez o efeito mais conhecido da ayahuasca seja seu efeito purgativo — daí o balde ao lado do tapete de cada participante. Segundo a crença tradicional, a purgação pode ocorrer por vários meios, incluindo diarréia, tremores, choro e sudorese, diz Evgenia Fotiou, professora-assistente de antropologia da Kent State University, que entrevistou xamãs e participantes de cerimônias da ayahuasca em todo o mundo. As pessoas às vezes descrevem os aspectos mentais da viagem provocando o vômito e, depois disso, a jornada frequentemente muda de rumo, diz Luís Fernando Tófoli, professor de psicologia médica e psiquiatria da Universidade de Campinas, que também estuda a ayahuasca. Esses efeitos decorrem do impacto da ayahuasca sobre o sistema serotoninérgico — envolvendo o neurotransmissor serotonina — que influencia várias coisas, incluindo humor e percepção visual e auditiva, diz James Giordano, professor de neurologia e bioquímica do Centro Médico da Universidade de Georgetown. O vômito, em particular, vem de sua ação na área postrema, a parte do tronco cerebral que controla a vontade de vomitar. Nesta região do cérebro, a ayahuasca atua nos receptores de serotonina 5HT3 — que também estão no intestino — potencialmente contribuindo para náuseas, vômitos e diarréia, diz Tófoli. Agravando os efeitos, a ayahuasca aumenta os níveis de serotonina no intestino e no cérebro. ""O mau gosto da bebida ayahuasca também é responsável por náuseas, mas principalmente logo após a ingestão"", diz Tófoli. ""Como a purgação pode ocorrer muito tempo depois do consumo, esse efeito provavelmente não é tão importante quanto a ação direta no intestino."" O líquido na preparação também parece contribuir para o vômito, acrescenta. Vomitar é menos comum após o consumo de ayahuasca em forma liofilizada. Como o impacto da ayahuasca na área postrema é muito intenso, o vômito geralmente é mais violento que o usual. ""A natureza desse tipo de vômito é extremamente purgativa"", diz Giordano. ""É vômito profundo, realmente profundo e induzido neurologicamente. Você literalmente sente como se estivesse vomitando tudo o que você comeu desde seu nascimento. É como um mega-cuspe"". A força do vômito explica parcialmente porquê você sente como se estivesse vomitando pensamentos, emoções ou experiências, acrescenta ele. Além disso, as pessoas simplesmente se sentem mais felizes quando não estão doentes, levando à percepção de que sentimentos negativos deixaram o corpo. Não há nenhuma razão neurológica conhecida do por que o vômito parece ser mais que físico, meus especialistas postulam; parece que é assim por causa da jornada emocional ocorrendo simultaneamente. “Provavelmente há uma influência considerável do contexto social”, diz Tófoli. “Em todas as tradições da ayahuasca da América do Sul que eu conheço, a purga é considerada como uma espécie de limpeza física e espiritual, e não é entendida como um efeito colateral indesejável”. Muitos ainda acreditam que a causa do vômito é emocional, mesmo que não haja ciência por trás desse raciocínio. “Me foi dito [por um xamã] que não é a ayahuasca que deixa alguém enjoado e doente durante a cerimônia; são as coisas negativas que existem no corpo, como raiva, depressão, tristeza e medo, que resistem a deixar o corpo”, diz Fotiou. “Isso foi ecoado na maneira como as pessoas discutiam sobre alguém que havia se sentido mal em uma cerimônia. Eles atribuíam isso ao fato de que ele ou ela tinha muitas coisas negativas para purgar... De um modo geral, pensava-se que uma vez terminado o expurgo, a ayahuasca levaria essa pessoa a um estado de êxtase"". De fato, em culturas com rituais em torno da ayahuasca, a purgação física e mental nem sempre são vistas como fenômenos separados. ""Você não encontrará essa separação entre corpo e emoção nas culturas nativas"", diz Fotiou. ""O corpo é onde a emoção e até mesmo o conhecimento vive"". Desculpem possível erros de tradução. Tradução por Luís Fernando Tófoli, postado no grupo PreParty
  4. 8 pontos
    - Relatos do MD ""dutch""? - Já provou o ""Coca Cola""? - Fulano tem o tal ""champagne"", já testei, pode confiar! Com certeza vocês já viram esse tipo de pergunta ou afirmação por aí. Mas você tem noção de que esses nomes são coisas totalmente genéricas? Estamos falando de um mercado negro e não de uma farmácia que você pede tal composto de tal marca conhecida (quem dera, né?). Nos mercados da Deep Web você encontra dezenas de MD's Dutch, centenas de mascavos, coca cola, alemães, champanhes e tudo quanto é nome que você pode pensar. Então, aquele MD ""dutch"" que outro usuário testou com reagente, usou e afirmou ser MDMA, pode, muito provavelmente, não ser o mesmo que você está em mãos ou que está sendo oferecido por outro fornecedor. Não caiam nessa, não é porque o fornecedor deu um nome conhecido para o cristal que ele está vendendo que se trata de algo de qualidade conhecida.
  5. 7 pontos
    Uma dúvida que acontece frequentemente em vários grupos, fóruns e nas rodas de conversa. Posso tomar MDMA se tiver tomando antidepressivos? O que vou tentar fazer aqui pra responder é mostrar como essa combinação pode funcionar. Existem algumas varáveis fisiológicas e psicológicas que podem resultar em efeitos diferentes. Se as substâncias sozinhas podem funcionar de diferentes maneiras para cada usuário, quando combinadas com outras medicações isso pode ficar ainda mais imprevisível. - A maioria dos usuários de antidepressivos não sentem os mesmos efeitos comuns do MDMA e costumam usar doses maiores; - Alguns usuários de antidepressivos sentem os mesmos efeitos do MDMA que outros sem precisar aumentar as doses; - Alguns usuários de antidepressivos têm comedowns (efeitos de ressaca/rebordose pós MDMA) muito mais acentuados nos dias seguintes ao uso de MDMA; - Alguns usuários de antidepressivos não sentem nenhuma ressaca nos dias seguintes pois os antidepressivos também podem atuar como neuroprotetores; - Alguns usuários de MDMA que não tomam antidepressivos também não sentem os mesmos efeitos que outros e também tem comedowns mais presentes. Aqui vale deixar um adendo que não vou aprofundar no momento pois pode deixar o texto muito extenso. Estamos falando de um tipo de antidepressivos, os inibidores seletivos de receptação de serotonina (ISRS) que são os mais usados, mas existem outros tipos: Antidepressivos Tricíclicos (ADTs) Inibidor seletivo de recaptura de 5-HT/NE (ISRSN) Inibidores de recaptura de serotonina e antagonista alfa 2 (IRSAs) Inibidor seletivo de recaptação de norepinefrina (ISRN) Inibidor seletivo de recaptura de dopamina (ISRD) Antidepressivo noradrenérgico e específico serotoninérgico (ANES) Agora que eu deixei claro que apesar de uma maioria ter determinados resultados, não existir uma regra, vamos explicar um pouco os funcionamentos dessas substâncias. Existe uma analogia citada por um médico numa matéria da Vice que é bem interessante. “Antidepressivos (ISRS, inibidores seletivos de receptação de serotonina) operam aumentando o bloqueio de recaptação, ou seja, eles não deixam que seu nível de serotonina diminua, mas não aumentam. Isso é análogo a uma piscina: os níveis de água são mantidos constantes pelo sistema de reciclagem de água. O MDMA trabalha em três estágios de neurotransmissão: ele também bloqueia a recaptação, mas também aumenta a liberação de serotonina a partir das células pré-sinápticas. - análoga à água que entra na piscina - e aumenta a recepção na célula pós-sináptica. Em suma, o impacto do uso de MDMA na serotonina na sinapse é uma piscina em que o bombeamento de água é aumentado enquanto os drenos param de funcionar. Resultado: a piscina é inundada com água e transborda fazendo desperdiçar água.” Então, eles efetivamente se anulam, mas combinar os dois coloca você em risco real? Não particularmente, mas isso torna o MDMA menos interessante. A maioria vai acabar tomando mais para suprir esses efeitos do bloqueio. Mas provavelmente não estará recebendo os efeitos psicológicos de empatia e eufóricos tomando mais, e sim, mais efeitos fisiológicos - pressão arterial mais alta, maior frequência cardíaca e temperatura mais alta. Você também ainda pode sentir os efeitos dopaminérgicos e noradrenérgicos, afinal, o MDMA não atua somente na serotonina. A dopamina atua no sistema de recompensa, que é o método do corpo de regular e controlar comportamentos específicos, induzindo efeitos motivacionais. Mas o MDMA tem atuação muito maior na serotonina do que na noradrenalina e dopamina, por isso, não espere efeitos muitos significantes. O MDMA é uma droga relativamente segura, mas em doses exageradas porque você está tentando superar os efeitos dos antidepressivos, isso pode ser um problema. Finalmente o que pode acontecer é que você não chegará aos efeitos positivos que seus amigos tiveram mas pode sentir junto com eles os efeitos negativos posteriores provavelmente piorados porque você aumentou as doses. Além disso, existe pouca pesquisa sobre o assunto, não sabemos muito mais que isso. Ainda não sabemos qual o efeito que o MDMA pode ter na continuação do seu tratamento com antidepressivos nos dias seguintes, mas que há uma forte possibilidade de que a medicação não seja capaz de funcionar quando seus níveis de serotonina ainda estiverem fora de sintonia. Ben Sessa, um psicólogo que realiza pesquisas em psicofarmacologia, concorda. ""A regra geral é não combinar antidepressivos com MDMA"", e acrescentando que, em primeiro lugar, não sabemos tudo o que precisamos saber sobre essa interação medicamentosa; e em segundo lugar, as reações podem ser altamente idiossincráticas e difíceis de prever. Idealmente, se você estiver tomando MDMA, você não deveria estar tomando outro medicamento"". “Mas Marcello, eu tomo antidepressivos há muito tempo e tenho os efeitos do MDMA normalmente sem precisar aumentar as doses e não tenho efeitos de rebote”. - Eu quero acreditar em você, mas não saberia dizer como isso é possível. Você tomava antes de usar esses remédios? Será que os efeitos que você sente são realmente os efeitos que o MDMA poderia te proporcionar quando não usava antidepressivos? “Então quer dizer que os riscos seriam apenas de eu não sentir os efeitos e ter uma ressaca pior depois do uso? Então vale a tentativa?” - Não é bem assim. Existem riscos mais raros, mas existem. Não, não é o risco da síndrome de serotonina. Esse risco era possível nos medicamentos antidepressivos antigos que eram inibidores da monoamina oxidase, os IMAOS. Eles são proibidos atualmente. Mas existem alguns riscos mais raros: Tanto o MDMA quanto os antidepressivos podem causar SIADH (Síndrome da Secreção Inapropriada de Hormônio Antidiurético) ela se desenvolve quando o hormônio antidiurético (vasopressina) é liberado em excesso fazendo com que o órgão retenha líquido e reduza o nível de sódio no sangue. Como resultado, mais água é retida no corpo, diluindo o nível de sódio. Um baixo nível de sódio pode causar hiponatremia, resultando em vômitos, desmaios, convulsões e até coma ou morte. “Então basta eu parar alguns dias com a medicação pra tomar o MDMA e depois eu volto a tomar, certo?” - Errado. Muito errado. Primeiramente porque isso não vai adiantar. Os antidepressivos podem causar uma regulação negativa dos receptores: isso pode ocorrer porque os receptores estão cronicamente expostos a uma quantidade excessiva de neurotransmissores. Isto resulta na dessensibilização desse receptor. Isso significa que os antidepressivos afetam o sistema de serotonina do seu cérebro de maneira negativa e positiva; a ideia é que os efeitos positivos superam os negativos, isto é, os níveis mais altos de serotonina superam o fato de que seu cérebro não a usa de forma tão eficiente. Basicamente, isso significa que, mesmo por várias semanas após o término de um tratamento com antidepressivo, o cérebro pode ser menos eficiente no uso da serotonina e o MDMA pode ainda não funcionar como esperado. Em segundo que pode ocorrer uma síndrome de abstinência desses remédios. Os sintomas dessa descontinuação são diversos, sendo os mais comuns mal-estar generalizado, náuseas, cefaléia, letargia, ansiedade, confusão mental, tremores, sudorese, insônia, irritabilidade e distúrbios de memória e sono. E por último, mas não menos importante: será que o que você está tomando é realmente MDMA? Outras substâncias como DXM podem ser fatais se combinadas com antidepressivos e outras podem ser potencialmente mais passíveis de uma rebordose pesada com as catinonas, mais conhecidas como “sais de banho” (MDPV, Pentilona, Mefedrona, APVP e outras) e metanfetamina. Resumo: O uso crônico de antidepressivos, como é feito no tratamento da depressão, parece reduzir os efeitos do MDMA. Ou seja, uma dose maior de MDMA é necessária para atingir o efeito esperado. Mas não para todas pessoas. Essas doses maiores podem causar danos e piorar os efeitos negativos. Mas não para todas pessoas. Os riscos dessa combinação são baixos, mas existem. Não é necessário e nem recomendado parar o tratamento para usar MDMA. Você pode não saber o que tem realmente no seu ecstasy ou no seu “MD”, outros adulterantes podem sim, ser mais perigosos se misturados. _____________________ Fontes: Erowid: MDMA e antidepressivos: https://erowid.org/chemicals/mdma/mdma_info9.shtml Estudo: Interação de Paroxetina e MDMA em humanos https://erowid.org/references/refs_view.php?ID=1388 Estudo Citalopran e MDMA em humanos: https://erowid.org/references/refs_view.php?ID=392 Desinformação sobre drogas ilícitas Uma resposta do Erowid a uma carta no New England Journal of Medicine: https://erowid.org/general/mentions/mentions_2001-10_nejm_response.shtml Discussão no Bluelight: http://www.bluelight.org/vb/archive/index.php/t-72100.html Matéria na Vice: MDMA e ISRS: https://www.vice.com/en_uk/article/padgjm/everything-you-need-to-know-about-mixing-mdma-and-antidepressants-safe-sesh Hempadão: MDMA e antidepressivos inibidores seletivos de recaptação de Serotonina http://hempadao.com/mdma-e-antidepressivos-inibidores-seletivos-de-recaptao-de-serotonina/ Síndrome de descontinuação dos antidepressivos http://www.moreirajr.com.br/revistas.asp?fase=r003&id_materia=3918 Regulação negativa e positiva: https://en.wikipedia.org/wiki/Downregulation_and_upregulation Psicofarmacologia de antidepressivos http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-44461999000500006 MDMA: https://psychonautwiki.org/wiki/MDMA https://erowid.org/chemicals/mdma/mdma.shtml Catinonas: https://psychonautwiki.org/wiki/Substituted_cathinone
  6. 5 pontos
    Junção de alguns artigos e discussões do reddit de um renomado cientista chamado Matthew Baggot [1]. Tudo está atualizado com as pesquisas mais recentes que existem sobre MDMA. Baggott é um cientista de dados e neurocientista que estuda MDMA, MDA e outras drogas há 20 anos. Trabalhou profissionalmente para documentar os efeitos de psicodélicos em seres humanos. Ele foi um membro do primeiro projeto nos EUA a receber uma autorização federal para dar MDMA para humanos. Muita coisa esclarecedora e muitas ainda a responder, por falta de pesquisa, estão nos comentários de Baggot e outros pesquisadores. Vamos a elas: CONCEITOS CHAVES: -MDMA libera serotonina das células de serotonina e com isso causa estresse oxidativo. -A liberação de serotonina é necessária para os efeitos emocionais do MDMA (embora outros sistemas de neurotransmissores também contribuam). A serotonina liberada estimula os receptores (as proteínas na superfície de outras células que, quando estimuladas, causam uma mudança no funcionamento da célula). -O estresse oxidativo é uma constante em seu corpo, mas o MDMA causa quantidades anormalmente grandes desse estresse no cérebro. Essa quantidade depende da dose. Seu corpo protege-se do estresse oxidativo com antioxidantes. Alguns destes são feitos pelo seu corpo. Alguns são de sua dieta. Suas proteções antioxidantes são ""usadas"" no ato de protegê-lo. É aí que entra um regime de suplementos que pode te ajudar, falaremos disso mais a frente. DURANTE O USO: Quando você toma MDMA, alguma combinação de MDMA e metabolitos (e talvez dopamina) entra em células de serotonina e aumenta o estresse oxidativo lá. Podemos chamar essas moléculas que aumentam o estresse oxidativo ""toxinas"". O estresse oxidativo causa danos fora e dentro de suas células de serotonina. Nós devemos nos preocupar mais com o dano dentro delas. A gravidade do dano depende da intensidade do estresse e da proteção antioxidante que você tem na célula de serotonina. Um efeito inicialmente prejudicial é que a enzima que faz serotonina (chamada de Triptofano hidroxilase [2]) será oxidada e deixará de funcionar. Um efeito prejudicial posterior e severo é que os axônios de serotonina (extensões de células de serotonina que se estendem por todo o cérebro) podem ficar tão desarraigados que explodem e ""morrem"" (as próprias células de serotonina não morrem). Você pode pensar nisso como um dano grave, mas difícil de acontecer, pois apenas acontece se as proteções antioxidantes se esgotaram. Você pode abaixar o estresse oxidativo dentro do neurônio da serotonina de várias maneiras: -Você pode tomar MDMA em doses menores e não repetidas. -Você pode tomar suplementos antioxidantes. -Você também pode garantir que você tenha mais serotonina quando usa MDMA. Este último truque pode funcionar porque a serotonina e as toxinas se compõem para entrar na célula de serotonina, de modo que ter mais serotonina significa que menos toxinas entram em sua célula de serotonina. Como ter mais serotonina? Dando o tempo necessário de intervalo entre o uso) Quando você toma MDMA, você libera a serotonina e este é um passo em uma série de eventos bioquímicos que alteram suas emoções e fazem você se sentir aberto, alegre, empático e menos neurótico. Grande parte da serotonina liberada difunde-se e é quebrada pelo seu corpo. DEPOIS DO USO: Após o uso, você reduziu o armazenamento de serotonina. Se seus sistemas antioxidantes não protegem totalmente sua enzima, você também tem menor capacidade de fazer mais serotonina: seu corpo precisará fazer mais enzimas antes que ela possa fazer mais serotonina. As reservas baixas de serotonina podem ou não importar para o funcionamento normal, porque seu corpo normalmente só precisa liberar pequenas quantidades por vez. Após o uso, muitos de seus receptores de serotonina serão menos sensíveis ou até mesmo mudados em número. Basicamente, seu cérebro se ajustou às altas quantidades de serotonina liberada. Até que os receptores se reajustem para níveis mais baixos e normais de liberação de serotonina, isso pode mudar a forma como você se sente. É aí que entra a famosa ""rebordose"". Isso também o tornará menos sensível ao MDMA. Os receptores alterados após o uso de MDMA estão provavelmente por trás das mudanças no fluxo sanguíneo cerebral que podem ser observadas pelo menos 3 semanas após o uso. Existe também uma evidência de que o transportador de serotonina terá um funcionamento alterado por um tempo depois de tomar MDMA e pode diminuir. Assim, alguma tolerância a curto prazo e / ou a longo prazo ao MDMA pode ser o resultado do cérebro reduzir sua quantidade do transportador de serotonina. Ainda não entendemos por que o cérebro decide diminuir o transportador de serotonina ou o que fazer sobre isso. Outra coisa a ter em mente é que, mesmo que a sensação do MDMA tenha passado, você terá níveis bastante elevados de MDMA e seus metabólitos por muito mais tempo. Os níveis de MDMA caem pela metade aproximadamente a cada 8 horas [3], então as sensações terminam antes que os níveis tenham caído menos de 50% (cerca de 3 horas). Ninguém ainda realmente sabe por que os efeitos acabam rapidamente; pode ser que seus receptores de serotonina tenham se tornado temporariamente menos sensíveis à serotonina. Uma possível razão para que os efeitos secundários demorem tanto para se desenvolver pode ser que leva vários dias para que o medicamento abandone o sistema e pare de estimular seu cérebro. Se seus sistemas antioxidantes realmente não conseguiram proteger suas células de serotonina, os axônios degenerarão e você terá diminuições a longo prazo na serotonina em todo o seu cérebro. Os axônios podem regredir lentamente das células, mas as células estão baixas no tronco cerebral e provavelmente não irão voltar a crescer em seu padrão original. Um pouco milagrosamente, existem apenas efeitos sutis da neurotoxicidade da serotonina. Parece que a serotonina coordena principalmente os processos neurais no cérebro. (Alguns cientistas pensam que a serotonina é especialmente importante para responder a coisas emocionalmente negativas e que as falhas de serotonina podem ""desmascarar"" as dificuldades emocionais específicas de uma pessoa.) ________________ TOLERÂNCIA E RECUPERAÇÃO: Pensando em tudo isso acima, você pode ter tolerância a longo prazo por degeneração axonal e por regulação negativa do transportador de serotonina. E você pode ter tolerância a curto prazo de receptores dessensibilizados e falta de serotonina armazenada em sua célula. As duas classes de tolerância em conjunto determinam se você sente menos ou mais efeito do MDMA. -Aguardar entre o uso é aconselhável por três razões: Seus receptores precisam de tempo para se recuperar. Se você tomar MDMA enquanto seus receptores estão menos sensíveis, você precisa de uma dose mais alta ou vai sentir menos efeito. Ao contrário dos outros dois motivos, os receptores dessensibilizados não causam danos no estresse oxidativo. Mas tomar mais MDMA para superar a tolerância significa que você terá mais estresse oxidativo. Seu armazenamento de serotonina precisa de tempo para reconstruir. Se você tomar MDMA enquanto tiver menos serotonina, você também precisa de uma dose mais alta e você aumenta a sua vulnerabilidade à degeneração axonal e à tolerância a longo prazo. Nós pensamos que isso pode ser porque a proporção de serotonina para toxinas dentro da célula de serotonina será menor. Para alcançar uma determinada força nos efeitos, você colocará mais toxinas em suas células. Seus sistemas antioxidantes também precisam de tempo para se recuperar. Se você tomar MDMA enquanto você diminuiu os sistemas antioxidantes, você começará a sofrer danos mais cedo e as doses mais baixas causarão mais danos. Então, uma prática comum de reabastecer sua serotonina com 5-HTP pode até restaurar a intensidade dos efeitos, mas se seus sistemas antioxidantes não se recuperaram, você ainda tem uma vulnerabilidade aumentada à degeneração axonal, causando mais danos. É necessário complementar com outros suplementos como Carnitina, Ácido Lipóico, Coenzima Q10 e Vitamina C. Ninguém sabe o momento exato desses processos e eles sempre vão variar de pessoa para pessoa. Uma regra de três meses foi popularizada pelo casal Shulgin, mas algumas pessoas acham que não precisam de uma pausa tão longa. Quem têm uma dieta ou uma genética que lhes dão maiores defensas antioxidantes, provavelmente precisa de menos tempo. As variáveis mais óbvias que você pode controlar são as doses e a proteção com suplementos antioxidantes (estamos chegando nesse asunto). Quanto maior a dose que você toma maior o risco e a recuperação vai demorar mais tempo. ________________ Troca de experiência do membro “Borax” (quem aqui é ‘rato’ do reddit sabe o respeito que ele tem na comunidade) com o cientista Baggot: BORAX: Eu queria acrescentar algumas coisas sobre as toxinas: MDMA injetado diretamente no rato não é uma toxina em si, e nem o MDA, mas ambas são muito propensas a serem metabolizadas na a-metil-dopamina, que é uma neurotoxina oxidativa conhecida. Este processo seria mediado por uma enzima no fígado, uma que é conhecida por ter uma atividade variável de acordo com a genética. Isso parece uma explicação provável para a variação que vemos entre as pessoas. Ao considerar suplementos antioxidantes, é importante lembrar: -A temperatura do cérebro desempenha uma regra estranhamente importante. Eu não recomendo que pessoas usem chapéus fofinhos em raves. -Os antioxidantes precisam chegar ao lugar onde o dano está ocorrendo para ser mais útil. A vitamina C realmente não atravessa o cérebro por isso pode não ser tão útil. Não para a neurotoxicidade. -O corpo possui um bom sistema antioxidante já instalado, se você ter uma boa dieta, praticar exercícios e não tomar mais que 250mg, provavelmente não precisará de suplementos. -Também não acho necessário suplementos para um uso ocasional de MDMA em um ambiente que não é seja uma boate fechada ou um festival com um sol escaldante na cabeça. Um extrato de chá verde faria o bastante. BAGGOT: Obrigado pelo complemento e notas úteis adicionais. Eu sou um dos muitos cientistas que não acredita na teoria dos metabólitos da neurotoxicidade MDMA. Ou, em vez disso, penso que os metabolitos podem contribuir, mas acreditam que o composto original definitivamente o faz também. As tentativas de alterar o metabolismo do MDMA não demonstraram ser protetoras [5] e houve falha na replicação da neurotoxicidade do metabolito centralmente infundido [6]. Na verdade, verificamos a inativação oxidativa da triptofano hidroxilase diretamente no cérebro, mostrando que o próprio MDMA causa estresse oxidativo significativo. Chris Schmidt mostrou isso na década de 1980 [7]. Isso dá origem a uma questão farmacocinética de saber se os estudos que utilizam infusões cerebrais estão realmente mantendo as concentrações de MDMA no cérebro suficientemente altas por tempo suficiente para o estresse oxidativo sobrecarregar os sistemas endógenos e causar toxicidade. Por exemplo, um estudo [8] induziu MDMA por 2,5 horas, o que pode não ser suficientemente longo para causar. Penso que o equilíbrio da evidência apoia que a própria substância causa a maior parte do dano (com algumas possíveis contribuições de dopamina e metabolitos de MDMA). No entanto, esta é uma questão aberta. ________________ Algumas perguntas de alguns usuários e respostas dadas pelo Baggot: -“Eu ""perdi a magia"" devido a algumas doses heroicas muito gananciosas e imprudentes. Recentemente, tentei usar pela primeira vez após 13 meses parado, embora eu não me tenha me sentido mal (o que é uma melhoria em relação à minha última tentativa), ainda era apenas um ‘6/10’, mesmo após um tempo de 13 meses. Na sua opinião, se eu esperasse de 3 a 5 anos antes de usar novamente, você acha que eu teria uma experiência muito melhorada ou provavelmente perdi a magia para o resto da vida? ” BAGGOT: Difícil de dizer. Os estudos ainda não têm essa resposta. Mas eu me inclino a dizer que você veria uma melhoria. -“E quanto ao uso de monotrópicos, como Piracetam, que estão espalhados por aí com a promessa de melhorar a intensidade do efeito do MDMA? ” BAGGOT: Isso ainda não é bem estudado. Sabe-se que o piracetam aumenta os efeitos dos estimulantes e MDMA em ratos [4], então, algo realmente acontece. Mas imagine que isso vai forçar mais ainda seu organismo, pode ser que afete mais ainda o tempo necessário para a próxima experiência. Não sabemos se a potenciação aumenta os riscos do MDMA, como hipertermia ou hiponatremia. Psicodélicos, por exemplo, irão potenciar o MDMA, mas também aumentam a neurotoxicidade. -“Você tem informação sobre a neurotoxicidade do MDA com parado com o MDMA? Estou interessado em usar essa droga, mas eu ouvi dizer que isso coloca muito mais estresse em suas células de serotonina do que o MDMA. ” BAGGOT: Resposta curta: Sim, o MDA parece causar mais estresse oxidativo do que MDMA. Resposta longa: sim, mas não sabemos se isso importa. Há apenas um pequeno número de estudos que comparam a neurotoxicidade. Quando o MDA causa toxicidade, parece pior do que o MDMA. Isso pode ser porque o MDA é metabolizado um pouco mais devagar. Dito isto, há dois pontos a serem citados. Um, não é ideal para esses estudos compararem a dose em mg porque o MDA é uma molécula mais leve (um mg de MDA tem mais moléculas do que um mg de MDMA) e o MDA é mais potente (as pessoas tomam doses mais baixas). Em segundo lugar, não sabemos se a dose limiar para produzir toxicidade difere entre MDA e MDMA. Portanto, os dados atuais sugerem que o MDA é mais tóxico, mas os dados são limitados e há muitas questões abertas. -“Eu tenho tomado ecstasy há 7 meses. Primeiros três meses eu estava tomando toda semana, agora eu tomo uma vez a cada duas semanas, não perdi a magia, mas minha tolerância só aumentou desde que comecei a rolar a cada duas semanas. ” BAGGOT: Tenha cuidado. Mas, sim, o tempo de recuperação varia de indivíduo para indivíduo. Smithies e Broadbear fizeram um pequeno estudo onde eles treinaram 6 ratos para distinguir baixas doses de anfetamina e MDMA. Então eles deram-lhes uma dose gigante de MDMA e estudaram quanto tempo os ratos levaram para distinguir as anfetaminas e MDMA, o que é uma maneira de medir a tolerância. Quatro ratos superaram sua tolerância em uma semana, um demorou duas semanas e ou dois meses. ________________ SUPLEMENTAÇÃO: Os suplementos que são tomados com MDMA podem ser divididos em duas categorias principais: aqueles que tentam tornar a experiência mais agradável e aqueles que tentam reduzir a toxicidade e o perigo. Vamos nos concentrar na segunda categoria aqui. O mais comum na primeira categoria é o magnésio, que é usado para diminuir a ativação do maxilar e outras tensões musculares. Você provavelmente não precisa disso, a menos que esteja tomando doses mais altas e saiba que você obtém esse efeito colateral. Ao longo do tempo, essa ativação pode causar um desgaste bastante grave em seus dentes, então não é algo para ignorar. Outros suplementos nesta primeira categoria podem incluir melatonina (tomada para ajudar a adormecer, embora possa também ter efeitos antioxidantes úteis) e 5-HTP (tomado após o uso, que teoricamente, ajuda o corpo a reabastecer a serotonina). Os suplementos na segunda categoria tentam principalmente prevenir ou reduzir mudanças duradouras na serotonina. Que doses são neurotóxicas? Nós realmente não sabemos que dose provoca alterações de serotonina a longo prazo em pessoas. Só conhecemos as doses tóxicas em animais e, embora haja regras para a conversão de doses entre animais e pessoas, as regras não são muito precisas. Para o melhor entendimento, é improvável que as doses de cerca de 1,5-1,7 mg por kg de MDMA causem alterações duradouras da serotonina. Estudos realizados pela MAPS buscaram mudanças nas habilidades mentais depois que as pessoas participaram de seus estudos, com alguns participantes recebendo 125 mg com metade disso em uma redose e não foram encontradas alterações. Procurei mudanças em habilidades mentais e humor em cerca das 25 pessoas que eu dei 1,5 mg de MDMA por kg e não vi mudanças. Eu também tentei medir o estresse oxidativo na urina em 16 pessoas e não vi nenhum efeito. Franz Vollenweider mediu o transportador de serotonina em algumas pessoas que receberam 1,5-1,7mg por kg em seus estudos com MDMA e não viu nenhuma alteração. Mas se você usa mais que isso (e nós sabemos que muitos fazem isso, chegando a tomar 10x o que nós testamos), algumas recomendações de suplementos são válidas: Os suplementos que foram estudados e mostrados como protetores contra altas ou repetidas doses de MDMA em ratos incluem Carnitina, Vitamina C, Ácido alfa-Lipóico e Coenzima Q10. Teoricamente, alguém adivinharia que outros antioxidantes poderiam ser úteis. Mas devemos ter em mente que os extratos antioxidantes das plantas muitas vezes têm múltiplos efeitos no corpo, então estes podem ter efeitos negativos inesperados. A partir dos suplementos que foram estudados, posso focar em ácido alfa-lipoico (ALA), acetil-L-carnitina (ALCAR) e vitamina C. O melhor tempo para tomar suplementos é desconhecido. A maioria dos estudos com animais não exploram horários diferentes e, em vez disso, dão os suplementos um pouco antes de cada injeção de MDMA. Nós sabemos que o estresse oxidativo começa quase imediatamente após uma injeção de MDMA em ratos, mas não está causando danos físicos até mais de 3 h após a injeção, com o dano provavelmente continuando por muitas horas. O dano em seres humanos pode começar mais tarde porque nossos níveis sanguíneos de um fármaco são inicialmente inferiores aos observados nestes estudos de ratos. No geral, meu palpite é que, os suplementos provavelmente são úteis quando levados em uma janela entre 6 h antes do MDMA até 6 h depois de tomar MDMA, mas isso é apenas um palpite. (Outra incerteza é que também não sabemos em que medida cada suplemento protege diretamente contra os danos) Em termos de dose de suplemento, novamente precisamos adivinhar. Para a maioria dos suplementos, não sabemos o suficiente para se converter de doses animais a humanas. Uma regra geral é que doses mais frequentes, mas menores de suplementos, são melhor absorvidas do que menos doses maiores de uma só vez. Veja mais sobre suplementos: ________________ PENSAMENTOS FINAIS Grande parte do conselho disponível online vem de pessoas com apenas alguns anos de experiência com MDMA. Estudos de usuários de MDMA sugerem que muitas pessoas usam MDMA pesadamente por alguns anos, acham que os positivos diminuem e os negativos aumentam, e depois desistem. Muitos dos psiconautas experientes que usavam MDMA puro na década de 1970 - pessoas como Ann Shulgin e Debby Harlow - notaram retornos decrescentes do uso de MDMA. Ann Shulgin usou MDMA semanalmente para superar um bloqueio que tinha para escrever e descobriu com o tempo que isso não funcionou mais. Com base nisso e nas observações de outras pessoas, Ann sugeriu que as pessoas usam MDMA no máximo 4 vezes por ano. Debby Harlow percebeu que muitas pessoas pareciam a magia apenas nas primeiras 10 experiências, depois disso, a experiência era meramente agradável, mas não mágica. Esses números podem não ser exatamente corretos para todos, mas a experiência geral é comum: a maioria das pessoas eventualmente perde a magia com uso repetido e frequente. Então, meu conselho é, tente aprender com a experiência e desenvolver suas habilidades para recriá-las sem drogas. ________________ Fontes: https://www.reddit.com/r/MDMA/comments/4wyjd9/mechanisms_of_mdma_tolerance_and_loss_of_magic/ https://www.reddit.com/r/MDMA/comments/3r09sg/thoughts_on_taking_supplements_with_mdma/ https://www.erowid.org/chemicals/mdma/mdma_faq.shtml https://www.erowid.org/culture/characters/shulgin_alexander/shulgin_alexander_interview2.shtml https://books.google.com.br/books?id=CUCcyklcO00C&pg=PR7&lpg=PR7&dq=baggot+mdma&source=bl&ots=2Ele-EIsuc&sig=5LZty0MSdjFNyKUbXrvL8IllKl0&hl=pt-BR&sa=X&ved=0ahUKEwi33p2JgqHXAhVEF5AKHauCAfkQ6AEIRTAE#v=onepage&q=baggot mdma&f=false ________________ Referências: [1] - https://orcid.org/0000-0003-1000-194X [2] - https://pt.wikipedia.org/wiki/Triptofano_hidroxilase [3] - https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC81503/ [4] - http://www.medical-hypotheses.com/article/S0306-9877(12)00206-X/abstract?cc=y= [5] - https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3137686/ [6] - https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2769035/ [7] - http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/0014299988901549 [8] - http://bibliography.maps.org/bibliography/articles/view_pdf/5579
  7. 5 pontos
    Li esse pequeno relato no reddit recentemente e resolvi traduzir pra compartilhar com vocês. A famosa frase do título do relato é bem verdadeira. O MDMA eleva nosso sentimento de empatia a níveis muito altos, isso pode embaralhar, confundir ou gerar um mix de emoções que podem fazer sentido no momento da experiência, mas nem sempre nos fazem agir de maneira racional. É claro, esse efeito tem um potencial terapêutico enorme, num ambiente controlado e com profissional adequado. Quando o uso é recreativo, é bom tomar cuidado com as nossas ações para não se arrepender depois? Mas, quem nunca? Então, segue o relato: ""Então, eu estava ficado com uma garota por dois meses. Tudo começou bem. Então ela começou a ficar muito possessiva e grudenta. Ela me disse que eu não poderia mais sair com minhas amigas, mas eu disse a ela que eu não aguentaria ficar em um relacionamento assim. Toda vez que eu saía para beber ou fumar com meus amigos, ela me enviava mensagens de texto o tempo todo, se eu não respondia, ela me ligava e se eu não atendesse ela ligava para os meus amigos. Uma vez ela faz o seu irmão me ligar pois ameaçou se machucar por eu não responder. Eu tinha me decidido: ia terminar, mas obviamente eu tinha que fazer isso com cuidado. Fizemos uma festa entre amigos há uma semana e eu ia esperar pra terminar depois disso, porque queria aproveitar a festa e poderia ser estranho se terminasse antes e encontrar com ela por lá. Então, eis que na festa um amigo me oferece MDMA e eu como um idiota aceitei. De repente eu pensei que toda essa possessividade dela significava que ela realmente se importava comigo. -Você é minha alma gêmea! (eu repeti isso pra ela a noite toda) Mas, é claro, todos esses sentimentos se foram no dia seguinte. Mas os dela não. O que eu vou fazer... estou tão fodido..."" ___________________ Comentário da Carolina feito nesse post que achei importante fixar aqui: “Esse post me lembrou uma coisa q é importante compartilhar. Acho q a empatia induzida pelo MDMA merece atenção especial qnd se fala de MULHERES. Porque esse encantamento inicial q rola do ""universo psytrance"" junto à empatia exacerbada, sentimento de união, geralmente deixa mulheres vulneráveis a possíveis situações desagradáveis ou de risco, com pessoas não tão bem intencionadas quanto se imagina. Festivais, raves e etc não são um universo paralelo onde não existe machismo, racismo, assédio, violência... Já passei por uma situação de assédio em que não reagi como reagiria normalmente, pq tava muito empática, o que causou uma bad. Já aconteceu tbm de uma amiga ver um casal estranho indo p barraca, em q a mina tava alteradíssima e mais sendo levada do que indo, minha amiga foi ver, os 2 nem se conheciam, e o moço, mais sóbrio, queria muuuuito levar a mina até a barraca. Minha amiga, na visão, 'fez amizade' com a mina, e a levou p procurar as amigas. É melhor prevenir do que remediar. * Moral da História: ver o mundo cor de rosa é incrível, mas pode ser perigoso, principalmente pras manas. Cuidem das suas manas ❤️?” ________________ Fonte: https://www.reddit.com/r/Drugs/comments/8saptt/dont_do_mdma_with_a_girl_youre_about_to_breakup/
  8. 5 pontos
    Tradução e adaptação do texto: “How to tripsit yourself – a guide” Link: https://transconciousness.wordpress.com/2017/07/02/692/ A expressão “tripsitter” é usada para aquele amigo que vai ficar de olho em alguma experiência de alguém. Normalmente um amigo que é confiável. Nesse texto vamos falar sobre ser essa pessoa pra você mesmo. Em primeiro lugar - não tente fazer isso, a menos que você tenha uma experiência considerável com psicodélicos e se sinta confiante de que poderá lidar com o que poderá surgir. Mas por que ser um “tripsitter"" de você mesmo, em primeiro lugar? Da minha experiência, ter uma viagem individual pode ser uma experiência incrível. Estar sozinho em um ambiente seguro realmente me permite ficar maluco, apenas fazer o que quiser, não importa o quão bobo possa parecer. Dançar, cantar, gritar, rolar no chão, fazer barulhos estranhos e rostos estranhos, falar comigo mesmo e objetos inanimados, etc ... Eu sinto que isso me dá uma espécie de liberdade que me permite mergulhar na viagem e ter uma experiência muito mais profunda e mais saudável. Eu tive algumas experiências com isso ultimamente, e fiz algumas observações que eu gostaria de compartilhar com o mundo: Passo 1: Preparando-se: saiba onde você está indo e por quê. A primeira e principal coisa antes de cada viagem psicodélica deve ser: DEFINA SUA INTENÇÃO. O que você deseja obter desta viagem? Existe um problema em sua vida que você precisa de ajuda para resolver? É terapêutico? Você está procurando uma experiência mística? O que você está procurando trabalhar, e o que isso requer? Prepare-se o máximo possível para a trip. Costumo começar a pensar sobre a minha intenção pelo menos uma semana antes, e dedicar pelo menos meio dia antes da trip para me preparar. Além disso, certifique-se de que não tem nenhuma obrigação no dia seguinte à trip, para que possa relaxar e voltar lentamente à realidade. Nada é tão desconfortável como lembrar de alguma pendência quando está no meio da trip. Você deve planejar seu “set & setting” com cuidado de acordo com a intenção que você definiu. Passo 2: Preparando suas coisas: certifique-se de ter tudo o que precisa. De agora em diante, vou ser realmente sistemático, então tenha paciência comigo. O princípio mais importante em todos os preparativos é que você precisa arrumar o maior número possível de coisas antes da trip. A idéia por trás disso é que DURANTE A TRIP, VOCÊ NÃO QUER ESTAR PENSANDO SOBRE NENHUM ASSUNTO QUE NÃO SEJA DIRETAMENTE RELACIONADO COM SUA EXPERIÊNCIA. Você deve poder se jogar no abismo psicodélico em um espaço seguro e acolhedor que não exige que você pense ou tome decisões sobre qualquer outra coisa. Assistentes de emergência: mesmo que sua intenção seja se divertir, tenha pelo menos 2-3 pessoas em quem confie e saibam que você terá essa experiência sozinho e peça para que lhe enviem periodicamente uma mensagem de verificação. Deixe-os saber que você responderá apenas se algo der errado, então, se você não responder eles devem assumir aquilo como uma resposta que você está indo bem. Você não quer pensar em ""oh, eles devem estar preocupados, eu tenho que avisá-los que estou bem"", mas, por outro lado, se você está tendo uma experiência difícil, você não quer ter que examinar seus contatos para encontrar a pessoa que você precisa. Dessa forma, você pode encontrar rapidamente alguém para falar em caso de emergência. Além disso, recomendo ter um aplicativo de mensagens diferente para esses amigos. Por exemplo, eu só coloco esses amigos no “Telegram”, de modo que eu não tenho que pensar se a pessoa que me enviou uma mensagem no “Whatsapp” é alguém com quem eu posso conversar agora ou não - eu simplesmente sei que é a pessoa, porque ela mandou mensagem por aquele outro aplicativo. Você pode querer encontrar alguém durante o comedown, certifique-se de que é alguém em quem você realmente confia e sente-se à vontade, e não com alguém com que você possa ter qualquer tipo de tensão (alguém do trabalho que não saiba das suas experiências, por exemplo). Preparando seu telefone : apesar de algumas pessoas se absterem de usar seu celular na trip, eu acho que pode ser uma ótima ferramenta, mas você precisa fazer alguns ajustes anteriormente. Primeiro, tenha atalhos muito acessíveis ao ""modo avião"" e ao seu gravador de voz. O gravador é incrível se você quiser gravar coisas para você mesmo ouvir após a trip, ou talvez apenas porque isso ajuda você a se sentir mais confortável conversando consigo mesmo. Descobri que registrar coisas para eu mesmo ouvir mais tarde pode ser realmente útil, mesmo que às vezes seja um pouco difícil de interpretar. Última coisa sobre o telefone - desligue todos os bloqueios e senhas da tela. Você não quer estar lutando com eles quando você realmente precisa conversar com alguém ou registrar algum pensamento profundo que você está tendo. Música: Sinto que a música tem um papel muito importante na sua trip. Prepare uma lista de reprodução com antecedência com a música que você gostaria de acompanhar. Não precisa ser perfeito e, à medida que você for mais experiente, será mais fácil para você escolher a música certa para os momentos certos. Ela pode realmente enriquecer sua experiência. Além disso, a música é um ótimo condutor da experiência. No caso de um pensamento indesejável, trocar a música pode lhe ajudar a mudar esse pensamento. Arte: vamos por dois caminhos: primeiro, eu realmente gosto de ter coisas para ver durante a trip. A última vez que eu baixei um monte de imagens do Android Jones (http://androidjones.com) e configurei elas em uma apresentação de slides na minha tela eu senti vontade de interagir com elas e realmente contribuíram muito para minha trip. Em um momento eu parei por um bom tempo olhando para uma das imagens que eu realmente gostei e foi ótimo. A segunda coisa com a arte é: ter algum equipamento artístico disponível para você. Eu não costumo desenhar, mas quando eu coloquei um bloco de desenho e um monte de lápis de cor na mesa do meu espaço da experiência, eu me vi desenhando muito e realmente me diverti, tente isso! Não fique somente no desenho - você pode preparar alguns instrumentos musicais ou qualquer outro tipo de arte e artesanato que você que possa desfrutar. Primeiros socorros psicodélicos: no caso de sua trip se tornar difícil, você pode querer ter algo para ajudá-lo, ou no caso de um amigo chegar, você pode querer que eles tenham alguma referência para ajuda-lo. Vou deixar aqui, o manual do Zendo - https://goo.gl/oQC7z7 (recentemente traduzido, pelo ResPire). Imprima ou coloque em um tablet ou smartphone que você possa ter acesso o mais fácil possível. Certamente, as chances de que vai precisar disso, é mínima, mas é melhor prevenir do que remediar. Passo 3: Preparando o espaço - crie um playground psicodélico. O espaço que você prepara para si mesmo deve ser seguro, prático e simples. Eu recomendo apenas fazer trips sozinho em casa, mas se você se sentir confortável e seguro o suficiente na natureza - vá em frente. Basicamente, pense antes em todas as coisas que você possa precisar. Mesmo que haja uma chance muito pequena de querer algo, assegure-se de mantê-lo ao alcance e acessível. Configurando o(s) quarto(s) : Limpe um espaço grande e confortável. Certifique-se de ter espaço para se mover, dançar ou o que quer que você sinta vontade de fazer. Certifique-se de ter rotas acessíveis para qualquer coisa que você precise e faça o mais seguro possível. Minimize o risco de tropeçar em coisas, fazendo uma rota clara para qualquer lugar que você precisa. Além disso, ter apenas uma rota significa que você não precisa pensar sobre a rota a seguir (parte da sua intenção de ter que tomar o mínimo possível de decisões). Alimentos : Você quer ter comida acessível para você caso tenha fome, mas você também deve ter em mente o tipo de comida que deseja deixar disponível. Eu gosto de colocar um pouco de fruta em um lugar muito acessível, para que eu possa fazer um lanche livremente e, em seguida, colocar algumas comidas mais pesadas em uma posição mais adiante. Além disso, certifique-se de ter todas as ferramentas necessárias para comer o que preparou para si mesmo. Água: Prepare um jarro de água para você, em seguida, prepare mais um e mais um. Você não quer lidar com torneiras ou dispensadores de água ou o que quer que seja - basta ter água suficiente para você durante toda a viagem. Banheiro: eu me sinto um pouco bobo mencionando isso, mas é melhor prevenir do que remediar - tenha certeza de que o banheiro é limpo o suficiente para você e tem papel higiênico suficiente. Mais uma coisa sobre a qual você não quer se preocupar. Portas e saídas: acho que você pode querer sair, certo? É possível que alguém pode vir visitar você em algum momento? Prepare-se para isso. Coloque os seus sapatos o mais perto possível da porta para que não tenha que ir procurá-los. Certifique-se de ter tudo o que você precisa a mão, mas também tire do caminho distrações que você não precisa. Passo 4: Torne essa experiência especial! Eu acho que esta é uma regra excelente para cada trip, mas quando estou sozinho, sinto que é muito importante - torne isso especial. Converta-o em um ritual. Faça do seu espaço um espaço sagrado, um templo. Se você simplesmente toma seu ácido e vai para tela do facebook, é um desperdício (de tempo e de ácido). Aqui estão algumas coisas que faço para tornar a experiência mais especial, podem parecer bobas, eu sei, mas acho que elas realmente fazem diferença. Eu gosto de começar as minhas trips pela manhã, para que eu acorde, faça alguns preparativos finais e vá para o desconhecido, de modo que eu não tenha tempo para pensar em Facebook, e-mails, mensagens de textos, etc. Acenda algum incenso: Uma vez que eu não costumo fazer isso no dia a dia, durante as minhas experiências com um incenso, realmente fez com que eu me sentisse único, como se estivesse preparando o espaço para algo especial. Tenha uma conversa consigo mesmo e/ou com a substância: é sério, apenas fale, em voz alta. Diga suas expectativas, intenções e medos, expressar quaisquer pensamentos que você tiver sobre a trip realmente ajuda a reforçar sua intenção. Use essa técnica para lembrar o motivo pelo qual você está fazendo isso e diga a si mesmo para se jogar, estando preparado para onde for que a trip te leve. Medite: medite antes de ingerir a substância, bem como durante o o “come up” - eu sinto que realmente me ajuda a entrar num bom humor. E lembre-se sempre: O que for que apareça, mergulhe nisso. Não tente afastar-se do que a experiência psicodélica apresenta. Não há porquê fugir. Aceite-a pelo o que ela é. Há uma razão pela qual surgiu. Mantenha-se seguro e aproveite as suas experiências, mesmo as difíceis! Link completo da colaboração no reddit com o dono do texto: https://www.reddit.com/r/Psychonaut/comments/6kuqse/how_to_tripsit_yourself_a_guide/"
  9. 4 pontos
    Já voltou de um festival e sentiu como se alguém estivesse atirando pequenos choques de eletricidade em seu tronco cerebral? Você não está sozinho, eles são bem comuns e malditos. Conhecidos como “brain zapps”, é um desconforto que muitos usuários que usam ecstasy por dias seguidos já sentiram em algum momento. "Chegar em casa e deitar na sua própria cama depois de um festival de vários dias é uma sensação confortante. Depois de um longo fim de semana na lama, fazendo suas necessidades em fossas abertas e tomando banhos em condições, digamos, difíceis, a promessa de dormir num lugar confortável e um banho quente em casa é o que me fez levantar naquela manhã do último dia de festival, arrastando minha barraca quebrada de volta ao carro e esperando que meu amigo que vai dirigir não durma ao volante durante viagem para casa. Mas ao chegar em casa, finalmente tomar aquele banho, fazer aquele rango, pular na cama e dormir... algo não estava certo. Quando fecho os olhos, pronto para descansar pelo menos 15 horas sem interrupções, senti um choque acentuado no cabeça, ele percorreu minha espinha, abrindo caminho no meu peito e pelos meus braços. E continuou acontecendo. Foi bastante alarmante. Meu coração estava batendo, mas por um momento pensei que ia morrer. Lembrando do festival, sei que fui irracional, pouco sono e um assalto aos meus níveis de serotonina pela quantidade de MDMA ingerido em dias seguidos, significava que eu não passava bem. Suando e com pânico, fiz a única coisa sensata que você pode fazer nessas circunstâncias: autodiagnostico via Google. Percorrendo as páginas intermináveis no meu celular, parecia bastante óbvio para mim que eu estava tendo um ataque cardíaco, mas, antes de ligar para a emergência eu encontrei um tópico em um fórum que dizia "MDMA e choques no cérebro, eu tenho e você”. Eu também! Encontrei mensagens como essas abaixo: "ESSES CHOQUE ESTÂO ME MATANDO, NÃO ESTOU BRINCANDO!" "TODO MEU CÉREBRO ESTÁ SENDO ELETROCUTADO INTERIORMENTE” Cada vez que eu tentava esquecê-los, eles voltavam, passando pelo meu corpo, fazendo-me tremer e sacudir. Agora, com medo de que o sono parecesse com uma morte certa, comecei a examinar o tópico e descobri que esses choques no cérebro eram bastante comuns. Embora a pesquisa científica seja basicamente inexistente, muitas vezes é sugerido que eles são um efeito colateral do uso de ecstasy; que o sentimento tem algo a ver com o cérebro tentando regular seus níveis de serotonina, pois o ecstasy faz com que seu cérebro libere grandes quantidades desse neurotransmissor. As pessoas que estão em abstinência de antidepressivos serotonérgicos relataram sentir os mesmos efeitos, adicionando mais peso ao argumento. Depois de um rápido post no Facebook, eu tinha um monte de pessoas que queriam conversar comigo sobre o assunto. "Eu estava em um evento e acho que tomei cerca de quatro a cinco comprimidos durante o fim de semana", disse Anna, de 25 anos, explicando que teve um ótimo momento, até chegar em casa. "Toda vez que me levantava ou caminhava, sentia como um pequeno choque elétrico na minha cabeça. E senti como se meus olhos demoravam mais tempo para acompanhar meu corpo ". Como eu, Anna entrou em pânico - mas em vez de procurar na internet para obter respostas, ela procurou um médico. O problema era que ela não disse ao médico que ela estava usando ecstasys nos dias anteriores. "Então foi um pouco inútil, o médico disse que eu provavelmente tinha um resfriado". Ellie, de 22 anos, teve uma experiência similar depois de voltar de um festival. "Eu estava deitada na cama e senti uma dor aguda no cérebro junto com alguns espasmos", explicou ela. "Algo estranho acontece na sua cabeça e você não pode detê-lo, é bastante assustador e você não pode ignorá-lo. Eles duraram cerca de quatro dias". Quanto mais eu falava com as pessoas, mais histórias muito semelhantes eu recebia. Mas muitos, não comentavam sobre o assunto com os amigos, com medo de assumir um problema real e ser julgado por aquilo. A Dra. Cathy Montgomery é coordenadora do curso de Psicofarmacologia na Universidade Liverpool, o que significa que ela sabe muito sobre drogas: "Nós não sabemos exatamente o que são ou exatamente o que os causam", explicou Cathy por telefone, "mas eles são sentidos como uma sensação de choques elétricos na cabeça, geralmente na base do crânio ou pescoço, que duram milissegundos a segundos ". A explicação de Cathy soava exatamente como que eu - e os outros com quem eu falava - estavam passando. Mas o que eu não entendia é o porquê, depois de muitos usos, onde o pior que eu sentia eram os lábios machucados e uma sensação de depressão, de repente eu estava experimentando esses choques. "Eles são mais prováveis durante um período de uso pesado / contínuo e podem aparecer a médio e longo prazo", Cathy me tranquilizou, “porque seu cérebro não tem chance de aumentar os níveis de serotonina entre os usos, então há um esgotamento cumulativo, que leva mais tempo para regular." Ela também apontou que "o uso de mais de uma substância combinada com o ecstasy significa uma liberação aumentada de neurotransmissores e a maior probabilidade de depleção", o que basicamente significa que misturar drogas faz com que o cérebro fique pior. Então, marquei um encontro com Cathy em um café para pedir mais orientações sobre o que os usuários poderiam fazer para evitar esses efeitos indesejáveis e malditos (sério, você não quer sentir isso). A primeira dica, é claro, não abusar, não tomar mais que duas doses em um fim de semana nem usar ecstasy por dias seguidos. Em um mundo ideal, concordamos. Ela também falou que é necessário também uma restruturação na política de drogas onde os usuários pudessem saber o que estavam consumindo de verdade e que isso com certeza diminuiria os danos. "Limitar o uso de combinações de substâncias também podem ajudar", disse Cathy. "Por exemplo, tomar ecstasy e usar LSD ao mesmo tempo pode ser mais prejudicial do que tomar qualquer uma dessas substâncias sozinhas". Limitar os períodos de uso também é uma boa estratégia; intervalos de pelo menos 30 dias, principalmente para MDMA e outros estimulantes é muito importante. Se nenhuma dessas dicas é atraente, ou você só leu isso aqui após ter abusado de maneira irresponsável, Cathy tem uma dica que pode te ajudar: alimentação e suplementação. "Se você se encontra em um estado de esgotamento de serotonina, você precisa comer aminoácidos essenciais, o que facilitará a produção de serotonina", explicou. Então, alimentos como peru, nozes, salmão, banana e ovos são exatamente o que você precisa para recuperação cerebral, mas não misture com muito carboidratos, eles vão dificultar que esse triptofano se transforme, finalmente, em serotonina. Cápsulas de triptofano ou 5HTP manipuladas também são uma boa pedida, mas lembre-se, só devem ser usadas pelo menos 24h após a última dose da droga usada. Alguns usuários relataram que óleos de peixe aliviam essas sensações, mas não existe nada comprovado. Você já sentiu esses choques após um abuso de ecstasy ou outras drogas? Nos conte nos comentários. ____________________ Fontes: Tradução: https://www.vice.com/sv/article/bnkv45/brain-zaps-sleep-paralysis-mdma-ecstasy Mais informações: https://www.psychologytoday.com/blog/creativity-way-life/201107/fireworks-or-brain-zaps https://psychonautwiki.org/wiki/Brain_zaps Recomendações:
  10. 4 pontos
    Uma dúvida muito comum para os que ainda não tiveram as duas experiências: Qual a diferença entre LSD e Cogumelos mágicos? Fiz uma junção de um artigo do The Third Wave, relatos do Erowid, detalhes técnicos do PsychonautWiki bem como minha opinião e experiência pessoal com as duas substâncias. MUITO IMPORTANTE: estamos falando de psicodélicos e se você perguntar as definições das diferenças subjetivas de cada um para 10 pessoas, você terá 10 respostas diferentes. Então vale lembrar que é algo simplista que tenta elucidar algumas diferenças mais comuns com algumas opiniões, de acordo com as NOSSAS experiências. A melhor maneira de você saber quais são as diferenças pra você, é somente quando tiver as experiências. Quando eu escrever ""autor"" no texto, quero dizer da opinião do escritor do The Third Wave e quando falo eu, sou eu mesmo, Marcello Santos. A maioria dos usuários de psicodélicos, em algum momento, já usou os dois. O autor usou cogumelos mágicos primeiramente, no porão de sua casa quando tinha 19 anos e LSD, cerca de cinco meses depois. Eu utilizei LSD quando tinha 19 e só fui usar cogumelos aos 30. O autor prefere LSD pela facilidade de se encontrar na área dele e por achar a experiência mais controlável. Eu, atualmente, prefiro cogumelos, já disse aqui no grupo que tenho preferido ele principalmente pelo tempo de duração da experiência, visto que não tenho mais tanto tempo livre como tinha nos meus 20 anos. Outro ponto que coloco como preferência é a sensação corporal que hora me faz confundir com o feeling do MDMA. O que acontece muito comumente nas rodas de conversas e aqui nos grupos e fóruns da internet são as perguntas sobre a diferenças de cada um. Perguntas comuns incluem: Com os cogumelos a experiência é mais ""natural"" do que a do LSD? Existem visuais diferentes, são mais fortes com cogumelos? Os cogumelos são mais seguros do que LSD (ou vice-versa)? Cogumelo pode deixar louco para sempre? LSD e COGUMELOS são os dois psicodélicos mais conhecidos para o homem. Embora o LSD tenha sido popularizado pelo uso convencional na década de 1960, os cogumelos com psilocibina foram utilizados nas tradições xamânicas há séculos. Como todos os psicodélicos, eles compartilham pontos comuns em como eles afetam a consciência humana. Mas, como qualquer pessoa que tenha consumido ambas as substâncias, irá lhe dizer, também, que há diferenças significativas. Antes de aprofundar as diferenças, vamos explicar os fatos básicos de cada droga. ______________________ LSD VS COGUMELOS - FATOS RÁPIDOS LSD -Psicoativo medido em microgramas (milionésimos da grama) -Criado em 1938, usado pela primeira vez em 1943 -Derivado do Ergot, um fungo que cresce no centeio -A dose típica é entre 100 e 250 microgramas -A trip dura entre 8 a 12 horas -Nenhum potencial de dependência física COGUMELOS -Usado pelas sociedades tradicionais desde o ano 1000 aC -A dose típica de psilocibina está entre 10-40 mg - isso equivale a aproximadamente 1-4 g de cogumelos secos -Existem dezenas de diferentes tipos de cogumelos contendo psilocibina -A trip dura entre 6-8 horas -Nenhum potencial de dependência física ______________________ LSD VS COGUMELOS - EFEITOS Com uma dose baixa - a dose usual de recreativa - as diferenças estão lá, mas são pequenas. É como a diferença entre ter bebido vinho tinto ou Jägermeister. Em uma dose baixa/média de cogumelos (1.5-2.5g), acho que eles são bastante semelhantes a uma dose forte de MDMA com LSD, o famoso “Candyflip”. A principal diferença nesse nível é a carga corporal, o LSD dura mais tempo com um início lento de 2-4 horas até um pico relativamente curto e um longo período estável e, de fato, bastante gerenciável pós-pico de até 12 horas. Os cogumelos vêm rápido e forte, eles atingem o pico dentro de uma hora, atingindo o máximo de 2-3 horas e depois diminuem rapidamente. As diferenças de ambos começam a ficar maiores em doses elevadas. Acima de 250ug de LSD ou mais que 4g de cogumelos (isso não é uma recomendação). Aqui entra um comentário de outro usuário do site. Apesar de não ser o que eu concorde sobre a experiência, de fato, é muito comum ser dito de tal forma por usuários. "O LSD é uma droga que ""só"" lida com sua consciência individual, é uma droga muito analítica, até mesmo psicanalítica. É perfeitamente adequada para terapias se o objetivo é descobrir mais sobre você. Você pode experimentar novamente uma infância traumática, seu próprio nascimento, o tempo no útero da sua mãe e, ainda mais, experiências que seus antepassados fizeram (pesquise sobre Stanislav Grof aqui no grupo e no google para mais informações). Mas LSD não liga você ao cosmos, é uma droga para explorar o seu eu interior, não o universo, e é muito poderoso nisso, porque pode fazer impressões neurais em um instante, o que significa que pode reprogramá-lo completamente dentro de apenas minutos. É por isso que LSD é tão útil na terapia, no entanto, em um set & setting desfavorável, isso pode levar a efeitos indesejados. Eu experimentei isso quando eu tinha 18 anos (muito jovem para psicodélicos) e demorou-me um ano para me livrar dos ataques de pânico e dois para tornar-me completamente meu eu antigo novamente. Eu usei mais de 100 vezes LSD depois disso, sem um problema. Cogumelos, por outro lado, não são bons para a descoberta interna, mas eles permitem que você entre em contato com o cosmos. Não só por ""sentir unido com a natureza"", mas, na verdade, conversando com entidades de, talvez, eu não sei, outras dimensões, o espaço exterior, o que nunca foi visto. E quando falo, quero dizer, literalmente, falar. É uma comunicação telepática, lingual com uma entidade fora de você. Alguns dizem que é o cogumelo em que você está falando, mas não tenho certeza. Para mim, eles se representavam (eu sempre tenho duas entidades presentes, mas apenas uma falando) como alienígenas. Eles são antiquíssimos e de sabedoria infinita, eles podem guiá-lo, eles o guiarão. Você pode fazer perguntas e eles responderão em seu próprio idioma. Aqui, pesquise sobre Terence McKenna no youtube. McKenna disse uma vez que, ""nos cogumelos, você ouve o que vê no DMT. LSD é um microscópio e ferramenta cirúrgica para sua psique, os cogumelos são o telefone para o cosmos, o DMT é uma viagem espacial literal. Então, todas essas ferramentas têm seu uso e devem ser tomadas de acordo e com grande respeito e cuidado. Em uma dose baixa, você pode divertir-se com eles" Porque eu não concordo totalmente com o comentário? Por causa da farmacologia de cada uma droga. Por causa da ciência. Por causa da parte técnica do todo. As pesquisas atuais mostram como os cogumelos pode sim ser ótimos pra descoberta interna. Mas também concordo que acreditar em algo é tão importante para a mente quanto a força química da substância. Por isso acho interessante o debate. ______________________ LSD VS COGUMELOS - FARMACOLOGIA LSD: Atua como um agonista parcial da maioria dos receptores de serotonina, exceto para 5-HT3 e 5-HT4 (mas todos os outros 6). Os receptores 5-HT5B, que não foram encontrados em seres humanos, também têm uma alta afinidade pelo LSD. Acredita-se que os efeitos psicodélicos provêm da eficácia do LSD nos receptores 5-HT2A. O LSD também possui eficácia em todas as dopaminas e todos os adrenorreceptores. A maioria dos psicodélicos serotonérgicos não são significativamente dopaminérgicos, portanto, o LSD é bastante único a esse respeito. O agonismo do LSD dos receptores D2 demonstrou contribuir com sua psicoatividade. COGUMELOS: Acredita-se que os efeitos psicodélicos dos cogumelos também provêm da sua eficácia no receptor 5-HT2A como um agonista parcial. Ao contrário do LSD, este composto não tem efeito significativo nos receptores da dopamina e afeta apenas o sistema noradrenérgico em doses muito altas. No entanto, o papel dessas interações e a forma como elas resultam na experiência psicodélica continua a ser desconhecida e está sujeita a uma investigação científica contínua, tanto para LSD quanto para os COGUMELOS. ______________________ Algumas citações de relatos de diferentes usuários que podem exemplificar algumas diferenças encontradas por eles, essas citações fornecem um ponto de referência metafórico para a questão: ""Com ácido, você sente como se dirigisse o carro, com cogumelos você sente que está no banco de trás sendo levado para um passeio"". ""O ácido parece que você está conectado ao universo enquanto com cogumelos você se sente como uma árvore velha caminhando pela floresta"". ""LSD é para entender o universo, os cogumelos são para sentir o universo."" ""Os cogumelos são para definir suas raízes, o LSD é para espalhar seus ramos"". ""Os cogumelos de Psilocibina são propensos a induzir viagens mais desafiadoras mentalmente, na minha opinião. Eles são um estádio completamente diferente em muitos aspectos. Os cogumelos não têm clareza, a ""perfeição"" do LSD, mas eles têm uma certa qualidade que muitas vezes leva a uma profunda introspecção. Lendo diversos relatos você consegue perceber que apesar dos padrões, muitas opiniões controversas são encontradas. Pra mim, essa é a magia dos psicodélicos! Está tudo aí dentro! Eles são somente uma ferramenta. ______________________ REDUÇÃO DE DANOS: Como citado no artigo, as duas experiências são muito seguras do ponto de vista tóxico, são as mais seguras que você poderia experimentar. No entanto é muito importante se preocupar com a questão mental, set & setting e outras dicas que você encontra nas publicações aqui do grupo: O SEIS “S’S” DA EXPERIÊNCIA PSICODÉLICA CUIDADOS AO USAR PSICODÉLICOS EM FESTAS FUNDAMENTOS DO USO RESPONSÁVEL DE PSICOATIVOS: ______________________ Fontes: https://thethirdwave.co/lsd-vs-shrooms/ https://psychonautwiki.org/wiki/LSD https://psychonautwiki.org/wiki/Psilocin https://erowid.org/experiences/subs/exp_LSD.shtml https://erowid.org/experiences/subs/exp_Mushrooms.shtml
  11. 4 pontos
    Fonte: https://www.theguardian.com/science/2016/apr/11/lsd-impact-brain-revealed-groundbreaking-images
  12. 4 pontos
    Muitas pessoas acham que quanto mais balas você toma, melhores e maiores são os efeitos. Isso é mentira! Vejam só essa conversa sobre MDMA entre um usuário e o fundador do DanceSafe, Emanuel Sferios (extremamente interessante e esclarecedora, na minha opinião): Nota: A conversa pressupõe que o usuário testou suas pílulas primeiro e que eles sabiam o número de miligramas de MDMA que os comprimidos continham. USUÁRIO DE MDMA: Comprei balas muito fortes (Trumps) e tomei 1 1/2 delas ao longo de 9 horas. Deve ser algo em torno de 340 mg... Eu acho que isso me afetou muito, em termos de estudo e, honestamente, até mesmo a minha libido. Foi há 2 meses e eu me sinto bem, ao menos, eu não sei se eu fiz mal ao meu cérebro. Eu vou para uma rave no sábado e a outra bala também tem algo em torno de 230 mg e estou planejando apenas usar metade disso e depois metade da outra metade. Isso é seguro? É possível minimizar o risco, mas ainda poderei ter muito prazer? EMANUEL SFERIOS: Para a maioria das pessoas, 230 mg é uma dose muito alta. Os protocolos para MDMA desenvolvidos no final dos anos 70 e no início dos anos 80 pelos terapeutas que o utilizavam sugeriam de 70 a 125 mg. Durante duas décadas, as pessoas geralmente seguiram esta regra. E somente nos últimos anos por causa dessas pílulas loucas de altas dosagens que as pessoas começaram a tomar essas doses ridiculamente grandes. Realmente não há necessidade para a maioria das pessoas. Quem quer experimentar ficar com queixo travado e revirando os olhos? Para não mencionar, altas doses se correlacionam com o aumento do risco de hipertermia e danos neurotóxicos. Não há evidências de que esse dano neurotóxico produz prejuízos cognitivos no longo prazo, mas evita que você experimente os efeitos completos do MDMA mais tarde na vida. Além disso, considere que as doses de reforço tendem a não funcionar como a dose original. Isso ocorre porque, uma vez que você liberou toda a sua serotonina, não há mais espaço para ser liberada. Você simplesmente não pode tomar MDMA e ficar redosando durante a noite como você pode com a maioria das drogas. Você precisa esperar. É preciso um mínimo de uma a duas semanas para o cérebro reabastecer a serotonina, dependendo da dieta e da genética. Tomar MDMA novamente dentro desse período de tempo também não funcionará e aumentará consideravelmente o risco de danos neurotóxicos. Talvez leve apenas metade e guarde a outra metade para outra ocasião. A escolha é sua. USUÁRIO DE MDMA: Obrigado pela resposta! Em setembro tomei uma bala que tinha 170mg. Peguei metade e meia e me senti bem durante a noite e me senti incrível novamente 2 dias depois. 2 meses atrás foi a última vez que usei e o total da 5ª vez e a única vez em que tomei os referidos 340 mg. Obviamente, desnecessário, pois pensei que, sim, seria melhor se eu tomar mais. Então, novamente, estou me perguntando... Vamos dizer que eu se eu tomar metade de uma bala de 116 mg e, em seguida, tomar mais 1/4, isso quer dizer que esse 1/4 não vai funcionar mais? EMANUEL SFERIOS: Os protocolos terapêuticos exigem uma redosagem única entre 2 a 3 horas (2 a 3 horas após a primeira dose, não 2 a 3 horas depois de começar a sentir os efeitos). Esta dose de reforço é tipicamente 1/3 a 1/2 da dose original. Então, se a dose original fosse de 100 mg, a dose de reforço seria de 33-50 mg. Isso normalmente prolongará a experiência mais algumas horas. Mas tome nota: ISSO SÓ FUNCIONA QUANDO A DOSE ORIGINAL NÃO É MUITO ALTA. Se a dose original for muito alta, e você liberou toda a sua serotonina, então uma dose de reforço não vai funcionar. A dose de reforço só funciona quando é capaz de liberar mais serotonina. E aqui está um ponto importante... Você não quer liberar TODA a sua serotonina. Esse não é o objetivo. O efeito neurotóxico do MDMA só acontece quando você libera TODA a sua serotonina e seus axônios de serotonina são deixados vazios e vulneráveis à moléculas estranhas que entram e se oxidam. É por isso que a neurotoxicidade do MDMA depende da dose. Em todos os estudos em animais, se a dose é baixa o suficiente, não há neurotoxicidade. Em geral, se você ficar com o protocolo terapêutico máximo (125 mg com um reforço de 67 mg com pelo menos três semanas entre as sessões), você não deve sofrer danos neurotóxicos. E, novamente, apenas para aliviar os medos, o dano neurotóxico do MDMA aparentemente não produz déficits cognitivos de longo prazo. Houveram dezenas de estudos em busca de deficiências cognitivas em usuários humanos e animais, e nenhum foi encontrado. No entanto, o dano neurotóxico parece causar uma tolerância permanente ao uso futuro de MDMA, o que significa que você não poderá mais sentir os efeitos do MDMA posteriormente. Espero que isto ajude! CONSIDERAÇÕES FINAIS DE EMANUEL: Para esclarecer um ponto que eu falei, existem alguns estudos que mostram que os usuários pesados de MDMA exibem notas mais baixas em testes de memória verbal do que grupos de controle, e alguns pesquisadores alegaram que isso constitui deficiência cognitiva resultante da neurotoxicidade MDMA. No entanto, nenhum dos sujeitos em nenhum desses estudos teve notas de memória verbal fora do alcance do que é considerado normal. Os ""índices relativos mais baixos"" são muito diferentes do que ""deficiências"". E deve-se lembrar que esses estudos geralmente comparam os usuários de drogas atuais (o período de abstenção é tipicamente de duas semanas a um mês) com os atuais alunos de pós-graduação da universidade onde o estudo está ocorrendo. Faz sentido que os estudantes de pós-graduação atuais, em média, obtenham resultados superiores aos usuários de drogas atuais em testes de memória verbal, porque um estilo de vida estudioso fortalece o desempenho cognitivo em comparação com um estilo de vida festivo. Traduzido e adaptado por Transcendendo Consciência Fonte: https://www.facebook.com/notes/mdma-the-movie/proper-mdma-dosing-reducing-the-risks-and-maximizing-the-benefits/1453659008094926/
  13. 4 pontos
    "Esse post me lembrou uma coisa q é importante compartilhar. Acho q a empatia induzida pelo MDMA merece atenção especial qnd se fala de MULHERES. Porque esse encantamento inicial q rola do ""universo psytrance"" junto à empatia exacerbada, sentimento de união, geralmente deixa mulheres vulneráveis a possíveis situações desagradáveis ou de risco, com pessoas não tão bem intencionadas quanto se imagina. Festivais, raves e etc não são um universo paralelo onde não existe machismo, racismo, assédio, violência... Já passei por uma situação de assédio em que não reagi como reagiria normalmente, pq tava muito empática, o que causou uma bad. Já aconteceu tbm de uma amiga ver um casal estranho indo p barraca, em q a mina tava alteradíssima e mais sendo levada do que indo, minha amiga foi ver, os 2 nem se conheciam, e o moço, mais sóbrio, queria muuuuito levar a mina até a barraca. Minha amiga, na visão, 'fez amizade' com a mina, e a levou p procurar as amigas. É melhor prevenir do que remediar. * Moral da História: ver o mundo cor de rosa é incrível, mas pode ser perigoso, principalmente pras manas. Cuidem das suas manas <3?"
  14. 3 pontos
    1. Certifique-se de inserir o canudo no alto da passagem do nariz antes de cheirar. Isso reduz a quantidade de cocaína que fica presa no nariz. A cocaína deixada na narina pode levar à irritação e um septo danificado - e, até mesmo, pode perfurá-lo. 2. Alterne as sessões entre as duas narinas e, após cheirar, enxague bem suas narinas para limpar qualquer cocaína que possa ter ficado no seu septo. 3. Certifique-se de deixar o pó o mais fino possível (quebrando aquelas pedrinhas) para evitar danos às narinas. 4. NÃO COMPARTILHE canudos. Pequenas (invisíveis) manchas de sangue estão frequentemente presentes nos canudos e podem estar infectadas com HIV ou hepatite C. 5. Não use notas de dinheiro enroladas. Essas notas estão longe de serem limpas e podem transferir várias infecções quando inseridas no nariz. 6. Você sabe que não vai se sentir ótimo no dia seguinte, então planeje um dia de recuperação tranquilo e agradável após fazer uso da droga. 7. Depois de usar, tente dormir bem e certifique-se de beber muita água e/ou suco. 8. Uma maneira de reduzir seu uso é estabelecer regras para você, como nunca usar antes de uma determinada hora do dia. 9. Faça uma boa refeição antes de começar a usar (já que pode demorar um pouco antes de comer bem novamente). 10. EVITE beber e usar cocaína. A mistura de cocaína com álcool e outras drogas aumenta significativamente os riscos. As pessoas que usam álcool e cocaína em conjunto estão em risco mais elevado de ataque cardíaco (álcool e cocaína combinam no corpo e formam uma substância tóxica no fígado chamada de cocaetileno). 11. O uso da cocaína é mais arriscado para as pessoas com doenças cardiovasculares, por isso, verifique sua saúde cardiovascular e, se tiver algum grau de doença, o ideal é que NÃO USE ou, pelo menos, tente reduzir ao máximo seu consumo. Evitando uma Overdose de Cocaína: - A overdose de cocaína nem sempre depende da dose; Às vezes, uma pequena quantidade pode causar sintomas perigosos. As variáveis que aumentam sua probabilidade de sofrer uma overdose incluem seu estado de espírito (sensação de ansiedade), seu estado de privação de sono, seu estado de privação de alimentos ou desidratação e/ou o uso de outras substâncias com a cocaína. - Ao usar uma cocaína de fonte desconhecida sempre tente uma pequena quantidade primeiro para testar a potência. - Evite misturar cocaína com opiáceos. A mistura de cocaína com álcool ou outros sedativos também aumenta os riscos fatais de overdose. - A overdose de cocaína é geralmente de natureza cardiovascular (ataque cardíaco, AVC ou arritmia grave). Para evitar uma overdose fatal, você deve evitar o uso de cocaína sozinho e procurar ajuda médica se sentir necessidade. Sinais de Overdose de Cocaína: - Náusea e vômito. - Desmaio. - Temperatura elevada do corpo e transpiração intensa. - Batimento cardíaco acelerado - Qualquer sinal de ataque cardíaco, como dor torácica (aperto no peito). - Dor de cabeça intensa. - Câimbras musculares. - Incapacidade de urinar. - Falta de ar ou respiração irregular. - Tremores ou convulsões ou sinais de convulsão, como baba, espuma, espasmos de membros ou rigidez. - Dentes rangendo. - Sinais de AVC, tais como: uma incapacidade repentina de falar de forma coerente ou entender o que outras pessoas estão dizendo, fraqueza súbita ou perda de sensação no rosto, braços ou pernas (geralmente em um lado do corpo), perda súbita de equilíbrio ou coordenação e/ou dificuldades para enxergar. Adaptado e traduzido por: Marianna Albuquerque Fonte: https://www.choosehelp.com/topics/harm-reduction/36-cocaine-and-crack-harm-reduction-strategies
  15. 3 pontos
    Postei esse tutorial nos comentários de um post e a galera curtiu bastante, então resolvi fazer um post próprio. Você tem um ziplock com uma substância em pó e já decidiu que vai usar. Esse pó pode ser cheirado, engolido ou injetado. Apesar de uma prática adotada por muitos, por sentirem a sensação de ter uma experiência mais intensa, infelizmente, seu nariz não foi concebido para cheirar produtos químicos e sua tolerância só vai aumentar e a experiência será mais curta. Além da irritação física em suas mucosas, drogas vasoconstritoras restringirão o fluxo sanguíneo nos vasos que revestem o nariz, o que pode levar à isquemia ou ao dano do tecido e você não quer pegar uma Hepatite C usando cédulas sujas. Engolir? Pense em algo desagradável, pensou? Multiplique por 10. Injetar? Você não quer correr o risco de uma infecção fazendo isso fora de um ambiente clínico. Dedada? Péssima ideia pra sua mucosa e controle de dosagem. O que você faz? Você pode comprar capsulas gelatinosas (as mesmas usadas em remédios e fazer suas doses), mas e se você não as tem no momento? É aí que entra uma dica bem antiga do mundo das drogas. Conhecido como parachute (paraquedas) ou bombimg ('bombinha'), trata-se da técnica de colocar uma dose enrolada numa seda e depois engolindo jogando-a como uma paraquedas direto na garganta. Lembrando sempre de pesar sua dose usando uma balança de precisão. Pra MDMA, as doses recomendadas são de 1.5 a 2mg x o seu peso. Por exemplo, se você pesa 70 kg, uma dose recomendada seria de 105 a 140mg. Lembrando que sempre é melhor nivelar por baixo pois nunca sabemos a dose exata ingerida. Nunca se baseie na experiência do outro, as substâncias podem agir de maneira diferente em você por vários motivos, incluindo o modo de ingestão. Veja os artigos recomendados abaixo: Na foto, um tutorial com fotos tirado do blog de uma cara muito maluco que encontrei nas minhas pesquisas: http://www.synchronium.net/2010/05/06/how-to-make-a-bomb/ Artigos recomendados:
  16. 3 pontos
    Existe um canal no Reddit conhecido como ""AMA"" (ask me anything ou pergunte-me qualquer coisa) onde membros da plataforma tem a oportunidade de fazer perguntas a pessoas que normalmente só jornalistas conseguem. No final de janeiro, ninguém mais ninguém menos que Tim Scully deu as caras por lá. Essa entrevista fez parte da divulgação do filme Sunshine Makers lançado em Janeiro de 2017, que conta a vida dele e de Nick Sand, criadores do famoso Orange Sunshine, o ácido mais conhecido dos anos 60. ""Scully era um idealista e acreditava que o LSD era a salvação da humanidade; queria fabricá-lo em quantidades industriais e distribuí-lo de graça em todo o mundo. Sand era mais pragmático e capitalista: seu sonho era criar uma rede de fabricação e distribuição que renderia muito dinheiro e usar a grana para financiar iniciativas comunitárias e libertárias."" Eu trouxe algumas perguntas mais interessantes, se você quiser ver todo o material, acesse o link (em inglês): https://www.reddit.com/r/IAmA/comments/5r2wn7/im_filmmaker_cosmo_feilding_mellen_i_made_the/ A entrevista não é uma sequência, são perguntas de vários membros diferentes. ___________________ P: Qual seria seu processo preferido para reintroduzir LSD na sociedade? Você acha que a principal prioridade é reduzir as restrições e permitir o financiamento estatal para a pesquisa, de modo que possamos tratar as pessoas com certas doenças? Você é a favor de torná-lo acessível a toda a sociedade? Se não, por que não? Se sim, você acha que precisa haver uma campanha informativa para desmanchar décadas de desinformação sobre LSD e educar as pessoas sobre seu uso mais adequado - como uma ""ferramenta para o crescimento espiritual""? R: Realisticamente eu acho que o caminho a frente vai envolver pesquisa médica primeiramente. Espero que a investigação médica possa incluir aplicações como ""o morrer e a morte"". Eu também espero que se os muitos usos médicos possíveis de psicodélicos forem finalmente aceitos que, em seguida, algum progresso pode ser feito sobre o que as pessoas saudáveis podem fazer com psicodélicos para auto-aperfeiçoamento ou exploração. Eu não acho que todo mundo é um candidato para usar LSD. Eu não acho que é uma boa idéia para os jovens usarem LSD antes de suas personalidades serem totalmente formadas. Eu acho que as pessoas com problemas de saúde mental só devem considerar tomar psicodélicos sob adequada supervisão médica especializada. Eu acredito que as crenças da cultura mais ampla sobre psicodélicos têm tanta influência quanto o ""set & setting"" e eu acho que as crenças da nossa cultura estão em muitos casos, erradas. Parece-me que os psicodélicos têm sido mais bem sucedidos em sociedades onde existem sistemas de crença que suportam o uso apropriado deles e rituais que ajudam a reforçar essas crenças. __________________________________ P: Tim, você pode confirmar se o Orange Sunshine que você fez foi realmente entregue como ALD-52? Minha compreensão dessa substância é que ela é imediatamente convertida em LSD na ingestão. A experiência é diferente da ingestão direta de LSD? O modo de ingerir faz a diferença (por exemplo, comparando Ayahuasca (inibidor de DMT + MAO) tomado por via oral, versus DMT fumado). R: O Orange Sunshine que nós fizemos era LSD 25. ALD-52 foi uma estratégia desesperada de defesa no tribunal que falhou miseravelmente. A história de Orange Sunshine é complicada pelo fato de que a BEL (Brotherhood of Eternal Love) distribuiu LSD de mais de um fabricante dizendo que era o Orange Sunshine. Nick e eu fizemos o original Orange Sunshine em Windsor. Esse foi o último laboratório em que trabalhei para fazer LSD. Ron Stark gerenciou vários laboratórios de LSD na Europa e a maioria de sua produção foi vendida como Orange Sunshine. Pelo menos parte do LSD que seus laboratórios fizeram não era puro. Acredito que seria muito difícil comparar a influência que diferentes lotes de LSD têm sobre a qualidade de viagem que as pessoas têm uma vez que existem tantos outros fatores que também influenciam a viagem. No laboratório 1966 de Point Richmond, Owsley, Don Douglas, Melissa e eu dividimos um lote de 10 g de LSD cristalino puro em 5 pilhas iguais. Estes foram tingidos cores diferentes e lustrado (diluído) com lactose e fosfato de cálcio para fazer pó adequado para comprimidos triturados. As cinco cores diferentes dos comprimidos resultantes eram idênticas, exceto a cor. Mas logo depois que eles chegaram à rua, as histórias estavam voando em torno da cena da droga de San Francisco: cada cor era dita nas ruas como efeitos diferentes, como por exemplo o verde ser mais ""espiritual"" que o azul. __________________________________ P: Tim - quais são suas opniões sobre as pessoas do Vale do Silício usando micro-dosagem como um intensificador de produtividade? A pesquisa para isso é mínima, você acha que micro-dosagem poderia ajudar os trabalhadores? R: Desculpe, mas eu não tenho nenhuma experiência de primeira mão com microdosagem; A experiência mais próxima que tenho é de trabalhar em um laboratório onde eu fui repetidamente exposto a um monte de LSD e construi uma tolerância. Eu acredito que o estado que eu estava naquele ponto poderia ser um pouco semelhante ao resultado da microdosagem. Em todo o caso eu sou céptico que as companhias de Silicon Valley defenderiam abertamente isso enquanto for ilegal. E eles podem ser mais felizes se seus funcionários estão sóbrios durante o horário de trabalho para que eles possam se concentrar. Mas eu fui aposentado de lá por mais de 10 anos e minhas crenças podem estar desatualizadas. Eu costumava pensar que o melhor uso de drogas psicodélicas era como uma experiência rara e incomum. Se a microdosagem tornar-se legal durante a minha vida restante, eu vou dar-lhe uma chance e, em seguida, talvez eu vou ser capaz de ter uma opinião formada. __________________________________ P: Você ouve um monte de propaganda sobre o LSD, mas você também ouve de usuários do passado que usaram um monte de LSD e agora lutam para pensar de forma clara e racional. Você acredita que o LSD pode ter um efeito tão negativo (além de causar problemas psicóticos nas pessoas já mentalmente doentes)? R: Muitas pessoas que tomaram LSD me contactaram. A grande maioria deles teve experiências positivas, mas certamente houve pessoas que tiveram dificuldades, algumas delas sérias. Algumas das pessoas que disseram ter um momento difícil com LSD foram os jovens que tomaram muito cedo e como resultado, eles tiveram problemas na vida adulta. Outras me disseram que passaram anos em terapia para lidar com as conseqüências de uma experiência ruim. Eu não sei o suficiente sobre qualquer das circunstâncias individuais dessas pessoas para poder dizer se eles tiveram problemas de saúde mental antes de usar LSD. Mas eu acredito que é possível para um pequeno número de pessoas ter conseqüências negativas de usar LSD mesmo sem ter um intervalo psicótico. __________________________________ P: Tim: Quanto LSD você estava fazendo em um momento de auge de sua operação? Quantos outros grandes produtores estavam trabalhando na época, e vocês se conheciam, discutia o ofício, coisas assim? Você acha que sua sentença de prisão era pequena comparada com a de William Leonard Pickard? R: Eu sempre estava usando o processo ""Garbrecht"" que é mais adequado para lotes de tamanho modesto, então eu não acho que eu já produzi um único lote maior do que 40 ou 50g (500 mil doses de 100ug). Eu não conhecia todos os outros grandes produtores que estavam em operação durante os anos em que eu estava fazendo LSD. Eu só descobri sobre eles mais tarde, quando eu comecei a pesquisar a história da fabricação underground do LSD. Nick Sand, Owsley Stanley e eu estávamos todos em comunicação. Minha pena de prisão foi relativamente modesta comparada com a de Picard por várias razões. Em primeiro lugar, as penalidades têm aumentado constantemente. Segundo, reincidentes tem sentenças mais longas. Eu tenho 5 condenações criminais todas de uma vez que foram empilhadas consecutivamente para criar uma sentença de 20 anos que felizmente foi reduzida a 10 sob a antiga regra de praticar o serviço comunitário.. Eu tinha uma sentença ""regular de adulto"" (conhecida como ""lei antiga"") que me tornou elegível para liberdade condicional em um terço da sentença. O sistema jurídico foi mudado drasticamente desde que fui processado. Agora é muito fácil obter uma sentença de prisão perpétua. __________________________________ P: Você estava interessado em síntese de outros psicodélicos, como DOM, DMT, psilocina ou mesmo alguns mais exóticos como derivados de mescalina? Você já sabia sobre Alexander Shulgin no momento que produzia o Orange Sunshine? R: Eu nunca conheci Sasha Shulgin, mas Bear o conhecia em 1967. Por um tempo em 1967, Bear ficou muito entusiasmado com os análogos da mescalina. Depois que Don e eu instalamos o primeiro laboratório de Denver, Bear nos pediu para tentar o que mais tarde veio a ser chamado de STP e depois nos disse que ele pensou que devíamos tentar fazer alguns porque ele não achava que era o momento certo para processar o resto de seu Ácido lisérgico. Don e eu não estávamos muito entusiasmados, mas por outro lado Bear tinha todo o ácido lisérgico (matéria-prima para fazer LSD). Então nós voltamos para Denver e eu descobri como fazer STP eventualmente. Nem Don nem eu acreditávamos que fosse um psicodélico muito bom em qualquer dose, embora fosse certamente melhor em doses baixas do que em altas. A primeira dose que o Bear nos deu foi de 30 mg, o que era claramente interessante. Felizmente Bear finalmente trouxe o ácido lisérgico e terminamos de processar tudo no LSD no primeiro laboratório de Denver. Ele distribuiu um pouco de STP. E ele me pediu para mostrar a Nick Sand como fazer isso depois que Nick foi preso no Colorado em seu caminho de Nova York para a Califórnia. Isso levou Nick a montar ""D&H Custom Research"" em San Francisco, que você viu no filme e onde ele fez grandes quantidades de STP. Esse laboratório financiou o laboratório Windsor onde fizemos a Orange Sunshine. O Bear eventualmente desiludiu-se com análogos de mescalina e no final de sua vida acreditou que todos eles não eram boas drogas. Don e eu lamentamos nosso envolvimento de STP. Acho que ambos concordamos que o LSD é um psicodélico muito superior. __________________________________ P: Você acha que as maiores implicações sociais seriam a normalização cultural dos psicodélicos? Criaria uma sociedade mais criativa, aberta e empática ou pessoas que acreditam que isso já está predisposto em pessoas abertas e empáticas? O que você sugeriria às pessoas que usaram o LSD ou que pudessem experimentá-lo no futuro para obter a maior parte das experiências de terapia e, possivelmente, mudar de vida? Eu também gostaria de acrescentar que eu sou um grande crente dos efeitos terapêuticos de LSD, como eu vi minha namorada se recuperar de PTSD ao longo do ano passado com o nosso uso freqüente de LSD. Isso está em combinação com muita utilização de cannabis, meditação e conversas focadas na introspecção e praticar o pensamento positivo. R: Quando eu usei LSD pela primeira vez, acreditei que torná-lo amplamente disponível produziria muitas mudanças sociais positivas. Com o retrospecto atual, parece-me que os efeitos sociais positivos não eram tão fortes quanto eu esperava que fossem e parece ter havido alguns efeitos colaterais sociais negativos. Eu digo parece, porque eu acredito que é muito difícil provar uma relação de causa e efeito. Então você terá que tomar o que estou escrevendo aqui como sendo minhas opiniões pessoais e especulações. Um dos efeitos secundários aparentes que me deixa desconfortável é a incidência muito comum de pensamento mágico e rejeição da lógica e da ciência. Algumas pessoas que tomaram um monte de psicodélicos tendem a facilmente acreditar em teorias de conspiração e rejeitar a ciência moderna. Assim como eu sei que muitas pessoas que acreditam em 9/11 como uma conspiração, são anti-vacinação, anti-fluoração, etc. Ser capaz de pensar fora da caixa é muito útil, mas também é extremamente útil ser capaz de pensar dentro da caixa usando a lógica e a ciência. Estar preso em qualquer estado não é uma coisa boa. A flexibilidade mental deve ser uma meta. É muito difícil separar os efeitos da propagação do LSD aos 4 ventos da revolução sexual que estava acontecendo ao mesmo tempo. Uma das armadilhas na cena de ""Haight-Ashbury"" foi o uso muito difundido de drogas ruins, como cocaína, anfetaminas e opiáceos. Demasiadas pessoas decidiram que se LSD era ""seguro"" ou se fumar maconha estava ""tudo bem"", todas as outras drogas seriam assim. É uma falácia muito perigosa. __________________________________ P: Quanto tempo leva para fazer LSD? Quão grande o laboratório deve ser aproximadamente? Apenas curioso sobre o quão difícil poderia ser. Você realmente tem que ser um químico de nível superior? R: Eu não recomendo tentar fazer LSD atualmente. As chances de você ir preso são extremamente alta, uma vez que todos os materiais e equipamentos que você deve usar são controlados. E as penas se tornaram extremamente rigorosas. Quando eu disse no filme ""não tente isso em casa"" eu não estava brincando. Se você não se importa com a pureza e não se preocupa com rendimento e estão dispostos a ser muito descuidados até mesmo no meu tempo quando a tecnologia era bastante bruta, era possível para alguém que não é muito hábil em química orgânica fazer LSD . Mas fazer LSD com alta pureza e com bom rendimento envolve uma grande dose de técnica de laboratório, pelo menos usando os métodos que conheço. Percebo que a tecnologia tem marchado e que existem alguns métodos sintéticos melhorados por aí. Mas os compostos de ácido lisérgico permanecem muito frágeis e exigem manuseio cuidadoso. É mais uma questão de compreender a técnica de laboratório necessária e condições especiais do que é uma questão de ter uma profunda compreensão da química teórica que certamente me falta. Owsley e eu nos consideramos cozinheiros em vez de químicos. Naturalmente Owsley era um cozinheiro excepcionalmente fino. __________________________________ P: Tim, Deixe-me começar dizendo obrigado pelo seu trabalho. Eu sei que você está escrevendo um livro sobre a história do LSD. Você poderia falar mais sobre isso? Ouvi dizer que Nick tinha escrito alguns livros durante seu tempo na prisão e que ele não teve nenhuma sorte em publicar. Eu sinto que seria uma leitura incrível e espero vê-lo em uma prateleira algum dia. R: Eu tenho trabalhado por alguns anos para reunir e organizar a história da fabricação underground de LSD. No momento isso não é na forma de uma narrativa. Consiste em uma grande coleção de arquivos PDF com hiperlinks maciços, cada um dos quais é uma coleção cronológica de factóides para documentos de origem. Eu deixei de lado esse projeto de história temporariamente para trabalhar em escrever um livro de memórias que é uma narrativa linear. Eu evitei especificamente procurar um editor porque eu quero evitar ter um prazo. Tenho algumas questões médicas que exigem que eu mantenha o estresse baixo em minha vida e minha mulher tem problemas médicos que exigem que eu esteja disponível para ajudá-la de várias maneiras. Mas eu espero conseguir eventualmente terminar. Eu estou tentando escrevê-lo com algum rigor acadêmico e espero conseguir uma imprensa da universidade para publicá-lo. Meu rascunho atual é cerca de 50% narrativa e 50% de notas muito detalhadas. __________________________________ P: Qual é a dose mais alta de LSD que você se lembra de ter tomado? E alguns de seus velhos amigos? R: Acho que a dose mais alta que tomei deliberadamente foi de 300μg. Eu acho que em um acidente de laboratório eu provavelmente tenho tomado uma dose maior acidentalmente, mas eu não tenho idéia de quão grande. A dose que tomei com maior frequência foi de 150 μg. Nick Sand e muitos da ""Brotherhood"" tendiam a ser um tanto machistas em tomar grandes doses de drogas. Vários dos meus amigos rotineiramente tomaram 1000/ 1500 ug. Eu sei ao menos de 2 casos onde as pessoas falaram que tomaram 100.000μg (!). Felizmente para eles LSD, é uma das poucas substâncias que tem uma gama muito ampla entre a dose eficaz e uma dose fisicamente tóxica. A maioria das drogas tem um intervalo muito mais estreito entre a dose eficaz e a dose letal e não é uma boa idéia jogar roleta russa com elas, tentando superar seus amigos com megadoses. Quando se trata de LSD eu sou da opinião que 300μg é abundância.
  17. 3 pontos
    - Eu estou causando dano usando com muita frequência? Que dano? A regra dos 3 meses é real? Quanto tempo devo esperar? Bom, é comum ler a resposta que o ideal é 3 meses. Eu mesmo já fui um disseminador dessa informação. Acontece que, apesar de ser um bom conselho, não pode ser dado com algo científico, a verdade é que não sabemos qual o tempo ideal. Não há realmente nenhuma pesquisa para nos dizer o que devemos fazer. Alguns artigos [1,2] mostram mudanças cerebrais que duraram ~3 semanas após o uso, mas não sabemos se essas mudanças são relevantes para a redução de danos. O grupo de pesquisa médica Multidisciplinary Association for Psychedelic Studies (MAPS) que estuda o potencial da droga na terapia [3] usa duas ou três doses de MDMA espaçadas de 3 a 5 semanas. Mas é importante ressaltar que nesses casos, são usuários que nunca tiveram contato com a substância e vão usar somente 3 a 4 vezes em um processo terapêutico, diferente dos usuários recreativos que normalmente usam por mais vezes. Outro ponto importante é que por mais que em algum momento soubéssemos que o intervalo ideal seja de 4, 5 ou 6 semanas, temos o problema do proibicionismo que afeta diretamente o que é colocado a venda no mercado negro, você pode não saber a dose e se está realmente está ingerindo MDMA, afinal. Um dica importante é testar suas substâncias com reagentes sempre que puder. - Qual a origem da regra dos 3 meses? A origem é de uma citação de Ann Shulgin, viúva do químico Alexander Shulgin: ""A única coisa que aconteceu com todos que conheço e que usaram muito MDMA é que, se o usaram mais de 4 vezes por ano, desenvolveram uma tolerância e, depois de alguns anos, começou a não funcionar mais para eles. O que todos querem é recuperar a mágica da primeira experiência, e isso é um erro, porque - como Sasha gosta de dizer - ""Você nunca entra na mesma água do rio duas vezes"". Descobri, por mim mesma, que usar o MDMA muitas vezes por ano não era sábio. Uma vez por semana, eu escrevia bastante usando o MDMA. Foi uma experiência maravilhosa para mim usá-lo dessa maneira, mas descobri que após esse tipo de uso, eu tinha que aumentar a dosagem para obter um mesmo efeito, e o efeito se tornava cada vez menor ao esperado, de empatia e de mágica; foram mais e mais os efeitos estimulantes e, por muitos anos, sou totalmente incapaz de usá-lo. Não só porque agora é ilegal, mas porque eu usei uma vez por semana e agora os efeitos negativos sobrepoem os positivos. Ninguém sabia disso, então, agora eu aconselharia qualquer um que quisesse usar o MDMA a não tomar mais do que 4 vezes por ano se você quiser continuar obtendo os melhores efeitos dele, caso contrário você corre o risco de perder seus efeitos total e permanentemente."" E um comentário de Matthew Baggott, um neurocientista e pesquisador do MDMA há mais de 10 anos: “Além das observações anedóticas de que a frequência mais alta leva à perda de mágica, ninguém realmente sabe o motivo. Todas as teorias sobre a reposição da serotonina são ideias não testadas. Nem se sabe se essa perda dos efeitos está associada à serotonina esgotada, a danos cerebrais ou a algum outro mecanismo. Estudos com usuários de MDMA sugerem que muitas pessoas usam o MDMA intensamente por alguns anos, descobrem que os aspectos positivos diminuem e os negativos aumentam. . Muitos dos psiconautas experientes que estavam usando o MDMA puro na década de 1970 - pessoas como Ann Shulgin e Debby Harlow - notaram retornos decrescentes do MDMA. Ann Shulgin usou o MDMA para superar o bloqueio que estava tendo pra escrever e descobriu que logo isso parou de funcionar. Com base nisso e em observações de outras pessoas, Ann sugeriu que as pessoas usem MDMA não mais que 4 vezes por ano. Debby Harlow notou que muitas pessoas pareciam ter apenas cerca de 10 experiências especiais e depois disso a experiência era apenas agradável, mas não mágica. Esses números podem não estar exatamente corretos para todos, mas a experiência geral é comum: a maioria das pessoas acaba perdendo os efeitos do MDMA com o uso frequente e repetido. Então, meu conselho é tratá-lo como algo que você nem sempre terá. Tente aprender com a experiência e desenvolva suas habilidades ao recriar sem drogas algumas das liberdades que o MDMA oferece. Daqui a dez anos, o MDMA pode estar legalmente disponível e ser usado na terapia. Você não quer ser incapaz de usar legalmente porque você abusou demais em sua juventude e agora não sente mais os efeitos"". Ainda assim, mesmo que a ciência não tenha descoberto o tempo ideal, não precisa estar muito inteirado do assunto pra saber que o abuso não é um boa ideia. Você já deve ter lido algum relato ou ouvido de algum amigo que ele não sente mais os efeitos como antes. Algumas pessoas que perderam a mágica descobriram que, depois de esperar vários anos era o suficiente apenas para conseguir uma experiência mais decente antes que o MDMA voltasse a ser “sem mágica” novamente. Veja abaixo um post com vários relatos sobre a perda da mágica e problemas com o abuso: - Evite aumentar a dosagem para compensar os efeitos mais fracos. As pessoas que usam o MDMA frequentemente normalmente usam doses mais altas. Da mesma forma que o dano pelo álcool é proporcional à dosagem, quaisquer preocupações de neurotoxicidade do MDMA são proporcionais à dosagem. Estudos em animais sugerem que dosagens repetidas de MDMA podem induzir neurotoxicidade. A MAPS acredita que as doses de 80 mg e 120 mg utilizadas em pesquisas sejam provavelmente seguras e eficazes. Para reduzir qualquer risco de neurotoxicidade, mantenha as doses tão baixas quanto possível. Veja os comentários do Emanuel Sferios fundador do Dancesafe. ""Reduzindo os danos e maximizando os benefícios"": - Considere tomar suplementos, pois há algumas evidências de que certos suplementos podem reduzir a tolerância ao MDMA, agir como neuroprotetor e reduzir as chances de perda da mágica com mais facilidade. Veja este post do pesquisador do MDMA Matthew Baggott sobre o assunto: Saiba mais sobre os suplementos: Veja alguns estudos com potenciais danos que podem ser causados pelo MDMA e combinações com outras drogas: Ciência e pesquisa: - Efeito do MDMA no fluxo sanguíneo cerebral [4]: “...dentro de 3 semanas após a administração de MDMA, o rCBF permaneceu diminuído no córtex visual, nas regiões frontais, parietal superior e dorsolateral em comparação com o rCBF no início do estudo. A diminuição da rCBF tendeu a ser mais pronunciada em indivíduos que receberam a maior dose de MDMA. Dois indivíduos que foram examinados 2 meses após a administração de MDMA mostraram aumento de rCBF em vez de diminuição. Nosso estudo também descobriu que a hipoperfusão regional pode ser observada por 2 a 3 semanas após a administração de MDMA, especialmente com doses mais altas. ” - A administração repetida de MDMA causa uma regulação negativa transitória dos receptores de serotonina 5-HT2 [5]: ""Vinte e um dias após a administração de MDMA, no entanto, o número de locais de ligação dos neurotransmissores estava de volta aos níveis de controle."" - Os efeitos agudos e crônicos do MDMA em receptores 5-HT2A corticais no rato e no cérebro humano [6]: “Em usuários recentes de MDMA, as densidades pós-sinápticas do receptor 5-HT2A foram significativamente menores em todas as áreas corticais estudadas, enquanto as densidades dos receptores 5-HT2A foram significativamente maiores no córtex occipital de ex usuários. Os resultados combinados deste estudo sugerem uma regulação positiva compensatória de receptores 5-HT2A pós-sinápticos no córtex occipital de ex usuários devido a baixos níveis de 5-HT sinápticos. ” Referências: [1] - https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/10708923 [2] - https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/1359444 [3] - http://www.maps.org/research/mdma [4] - https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/10708923 [5] - https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/1359444 [6] - http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0893133X01003669
  18. 3 pontos
    Por Sezaru Buraga Segundo Sigmund Freud (1856 – 1939), o Ego é a parte mediadora da personalidade do indivíduo, dividida entre o Id e o Superego. O Ego teria como função cuidar para que os desejos incontidos do Id, ou Libido, não extrapolassem os limites do bom-senso, bem como cuidaria para que os atos repressivos do Superego não dominassem de todo a liberdade incontida da nossa libido. O Ego, portanto, teria a função salutar de forjar assim nossa identidade. Bem, a formação do nosso Ego se dá desde os primeiros momentos de nossa infância, onde predomina o Id e logo depois o autoritário Superego, que aparece logo após a formação do Ego. O Id é basicamente os desejos incontidos que temos de tudo fazer e sentir prazer, relacionado por Freud à libido, que de outra forma tem relação com nossos desejos egoístas e irracionais. Já o Superego seria uma representação da moralidade e valores sociais, forçando o ego a andar na “linha”, geralmente em posse de pensamentos dualistas, como bem e mal, certo e errado etc. O Ego, desta forma, viveria sob o fogo cruzado do Id e do Superego, um desejando extrapolar os limites e o outro tentando impor limites. O Ego é alimentado desde nossa infância e nos dá base para uma vivência em comunidade, a partir de um olhar do outro sobre nós mesmos, bem como os conceitos que estes têm em relação a nós. Metaforicamente, seria como a ‘persona’ relatada por Jung, que por sua vez foi um termo tomado emprestado das máscaras do teatro grego para sua representação de personagens encenados a cada ato diferente. Ou seja, o Ego seria um falso Eu (Self), brigando para manter seu domínio sobre os nossos instintos mais profundos, sendo apenas uma máscara utilizada para representar uma personagem no teatro da vida. Segundo Shakespeare (1564 – 1616), em Romeu e Julieta: “O mundo inteiro é um palco e todos os homens e mulheres não passam de meros atores. Eles entram e saem de cena e cada um no seu tempo representa diversos papéis”. Ora, uma das questões mais duras de se encarar durante a experiência psicodélica com o LSD é a desegoização temporária do ser e tudo que ela representa neste grande teatro da vida. Quando uma pessoa induz-se ao transe psicodélico, o referencial de tempo, espaço e de quem o indivíduo é (ou quem ele acredita ser), se perde naquele espaço de horas, e isto pode causar encontros e desencontros para cada um em particular. Como o indivíduo cresceu ouvindo que ele era uma pessoa com determinadas qualidades e passou a acreditar em tais elucubrações de terceiros, ele sedimentou seu ego em uma realidade distante da qual ele de fato acredita. Muito do seu ser interior extravasa quando só, onde as representações do Id podem ser mais fortes. Ele pode ser mesquinho, individualista, não ser ético e até mesmo com potenciais danosos para a sociedade e para si mesmo. No entanto, quando em frente à família ou a pessoas estranhas à rua (amigos, colegas de trabalho, faculdade etc.), ele se deixa abater pelos domínios do Superego e se torna àquilo que seus pais ou doutrinadores queriam que ele fosse. Tudo não passa de uma máscara (persona). Com a experiência psicodélica, a censura é suspensa e os instintos afloram, e neste momento a personalidade pode sofrer um choque, um conflito imensurável que levará o indivíduo do céu ao inferno em questão de segundos. Uma das primeiras aparições deste conflito está no fato dele se dar conta que usou um psicodélico para alterar a consciência, ele entende que o tal psicodélico em questão é uma droga ilícita e a “moral e os bons costumes” ditam que usar tais compostos é ilegal e pode causar problemas sérios com a justiça e com a sociedade. No entanto, ao sentir o prazer que a droga ilícita lhe proporciona, ele simplesmente não entende como a mesma pode ser demonizada perante a sociedade, e com isso se estabelece uma “guerra-fria” entre o que se deve ou não deve fazer no tempo que precederá. Sobre esta questão Freud relata, em seu livro O Ego e o Id (1923), que “(....) o homem normal não é apenas mais imoral do que crê, mas também muito mais moral do que sabe (....)”. Subjetivamente, e esta é toda a questão, a experiência psicodélica implode tudo o que se aprendeu sobre si mesmo e sobre o mundo até então, com base no Ego, e uma nova gama de informações é apresentada ao experimentador, com novas cores, sons e texturas. Toda uma realidade interna até então desconhecida se mostra em detalhes para aqueles que caminham em direção à lisergia. É como mergulhar em um lago profundo de mistérios a serem revelados, onde a loucura e sabedoria estão lado a lado, ou você afunda como um louco ou emerge como um sábio, desde que saiba notar as pequenas diferenças e consiga aplicá-las ao seu cotidiano. Neste momento, o Ego está em suspenso, sem poder opinar sobre o Id e o Superego, e o cérebro se torna um turbilhão de sentimentos e mensagens ‘in loco’. A experiência psicodélica não vem para destruir o Ego humano, isso é impossível, pois o mesmo é necessário para a sobrevivência e convívio entre os outros seres humanos com os quais nos relacionamos; a experiência psicodélica vem para ampliar a visão que o ser humano tem de si mesmo e do seu Ego, ela causa um impacto profundo na psique e destrona o Ego de seu lugar de mediador, levando a uma dissolução completa e perfeita do ser humano e o transmutando para um estado de coalizão com o Todo, mostrando que no fundo fazemos parte do Nada-Ser, e que o silêncio interior é nossa verdadeira identidade. Somos unos com o Universo e tudo que o compõe e nossa consciência vai além do que os nossos Egos procuraram nos moldar durante nosso processo existencial. Somos mais que nossos próprios umbigos. Somos frutos de uma consciência Cósmica, somos frutos das estrelas, como mesmo RNA composto em tantos gases soltos pelo Universo, formando novos planetas. Portanto, nos conscientizemos sobre este ser que não somos, em forma de Ego, para aprendermos que o mais importante, no fundo, é Não-Ser, pois nosso tempo aqui é passageiro, e o que fizermos, sempre faremos para os outros que virão. Tomemos muito cuidado com o Ego que nos engana em relação a nossa verdadeira identidade, fiquemos em alerta sobre os seus sinais para não sermos incautos, pois como bem alertou o pai da psicanálise, em seu livro já citado: “[....] Em troca de uma alma imortal, o Demônio (Ego) tem muitas coisas a oferecer, que são altamente prezadas pelos homens: riqueza, segurança quanto ao perigo, poder sobre a humanidade e as forças da natureza, até mesmo artes mágicas, e, acima de tudo o mais, o gozo – o gozo das mulheres belas. [....].” Luz e paz a todos! Publicado em 17 de dezembro de 2014.
  19. 3 pontos
    Durante muitos anos sustentava a ideia de que participando de rituais de ayahuasca eu me conheceria melhor. A experiência certamente iria me trazer revelações sobre minha caminhada e o que eu precisava fazer para me sentir melhor, mais inteiro e ao mesmo tempo respeitando minha individualidade. Sempre saía dos trabalhos com uma lista de ""o que fazer"". A bebida me mostrava o que tinha que fazer nas próximas semanas e eu sempre fazia tudo que se apresentava para mim na cerimônia e sentia que de alguma forma estava crescendo. Aí nesse ponto está uma cilada e uma oportunidade. A oportunidade esta em saber onde persistir e onde deixar morrer. Existem coisas dentro de nós que precisam morrer: acontecimentos, apegos, emoções e é extremamente difícil deixar algumas coisas terminarem seu ciclo dentro de nós quando não estamos cientes de que aquele fato já não nos traz nada positivo. Por outro lado existe uma cilada a qual no começo da jornada com a ayahuasca eu caí: acreditar que precisava da bebida pra me entender melhor, que apenas com ela eu teria os insights que precisava pra me melhorar. Verdade seja dita: comecei a perceber que pelo fato da experiência ser tão deslumbrante pensei que era necessário uma bebida pra me conhecer melhor, fato é: estava errado. Você não precisa de nenhum psicodélico pra se entender melhor. Eles podem te ajudar? Sim. Eles são necessários para esse processo de estudo fino que é o auto conhecimento? Absolutamente não. Escrevo essas linhas por que ao enxergarmos os psicodélicos como muletas que nos sustentam, eles também podem nos fazer pensar que precisamos deles para alcançar insights transformadores e isso não é nada mais que criar uma codependência de algo externo para se conhecer melhor. Vejo com muita estima a ayahuasca, ao mesmo tempo fico feliz de ter percebido que ela é apenas uma ferramenta como qualquer outra no caminho do auto conhecimento. Com o tempo percebi que existe um elemento central no processo de autoconhecimento que também está presente na experiência da ayahuasca: a auto observação. Observar sem julgar: padrões de comportamento, seu humor, pensamentos que surgem, a sua linguagem corporal. Tudo isso, por motivos que ainda estou pesquisando, nos traz informações valiosas sobre quem somos e o que somos. É como se aos poucos se inicia-se um processo de conscientização sobre nós mesmos que muito lentamente nos faz ficar mais livres de nossos condicionamentos.
  20. 3 pontos
    1- pó de biqueira raramente vai dar overdose pela pequena % de coca pura que contém (15-25%), o risco são os aditivantes 2- aprendam a lavar com acetona que vc já retira 80% das misturas e vai mandar um pózinho bem mais massa hahaha 3- a brisa de passar na gengiva (aqui isso eh comum, sorry) acaba danificando também a gengiva, cuidado 4- se esfarelou rápido, não é só coca 5- se foi barato não é só coca 6- se não tá branco NÃO É MESMO só coca 7- água com gás ajuda PRA KRL quando vc tá naquele nível de pegura que chega a suspirar e ofegar 8- banana ajuda pra quem tem aquelas câimbras fudidas no outro dia (sim, é por conta do pininho kkkk) no resto, não se matem hahaha e boooora /
  21. 3 pontos
    "Vou usar um breve relato meu, algo que confundiu minha cabeça durante um tempo. Em uma das festas que fui, acabei tomando mdma em excesso ( nunca fui de sentir empatia quando faço uso de mdma, nem de querer abraçar o mundo. Acho que penso mais no bem estar de quem está próximo de mim, mas sem expressar. Somente na cabeça ) e no final de festa, algo aconteceu que raramente acontece. Minha auto estima foi lá em cima! Eu ouvia as pessoas comentado coisas ao meu respeito, sentia que muitas mulheres me olhavam diferente. Foi um dos sentimento mais estranhos que tive. Automaticamente minha cabeça me fazia ouvir e entender coisas que pos festa não faziam nenhum sentido. Pareciam que várias mulheres me queriam e comentavam coisas boas e audíveis sobre mim. Nunca tive nenhum outro momento como esse, e talvez, se eu não estive ciente da minha situação no momento, me sentiria a vontade pra chegar até elas. Provavelmente seria um grande erro! Nunca fui de ficar confuso a esse ponto usando @ ou Md. Isso gerou um descontrole meu durante uma semana. A imagens e as palavras que ""ouvi"" eram tão nítidas quanto algo que verdadeiramente aconteceu. Não achava isso algo bom, até eu entender. Foi Algo que fez repensar o meu comportamento para o futuro. Entender e assimilar que tudo não passa de uma mera ilusão que minha cabeça pode criar."
  22. 2 pontos
    INFORMAÇÃO ANTES DA INTOXICAÇÃO Se decidir usar alguma substância, é importante se informar sobre ela. Seja aqui no grupo ou sites conhecidos como o http://tripby.org/ (em português), Erowid Center, PsychonautWiki, TripSit, Drugs and Me e vários outros. Interações, dosagens, efeitos (positivos e negativos), durações, danos, etc. Tudo isso é encontrado com facilidade na internet, mas é importante usar fontes confiáveis No post abaixo eu listei dezenas de outros sites onde você pode fazer suas pesquisas: https://www.preparty.com.br/forum4/index.php?/topic/536-sites-recomendados-atualizado-em-27072018 CUIDE DOS SEUS AMIGOS Se você está usando drogas ou mesmo ficando sóbrio, a melhor maneira de manter a segurança em uma noite fora de casa é ficar com seus amigos e cuidar uns dos outros. Seu telefone não é útil no bolso de outra pessoa se você se separar, então mantenha ele com você. Se um amigo quer sair cedo, coloque-o em um táxi e tome nota da placa do carro. Se os seus amigos experimentarem problemas relacionados a drogas, chame a atenção da equipe no local. E se você se separar deles, tenha um ponto de encontro pré-organizado onde todos marquem de se encontrar em certos momentos durante a noite ou evento. O mundo da música eletrônica sempre foi conhecido por sua simpatia e senso de comunidade - é por isso que muitos de nós amaram ou amam isso por tantos anos. Da mesma forma que você cuida de seus companheiros, é importante cuidar dos outros. Se você vê alguém que parece que está separado de seus amigos e que luta com os efeitos de bebida ou de outras drogas, seja um rosto amigável, ofereça água e tenha certeza de que estão bem. E se você estiver preocupado com a sua condição, leve-o para alguém responsável no local, como segurança, pessoal paramédico ou pessoal do bar (muitos dos quais serão treinados em primeiros socorros). Alguns usuários morreram porque perderam seus companheiros e ficaram em algum canto afastado, e, quando o alguém os achou, era muito tarde. MANTENHA-SE HIDRATADO Um dos principais efeitos negativos conhecidos do Ecstasy e outros estimulantes é a elevação da temperatura corporal que pode levar a hipertemia. A hipertemia por sua vez pode desencadear vários outros efeitos como vômito, aumento da frequência cardíaca e em casos mais graves, insuficiência respiratória. Se você estiver em locais fechados onde a temperatura ambiente já é elevada, tenha atenção redobrada. O que acontece quando sua temperatura se eleva? SUOR. Pelo suor pode-se perder alguns litros de água. Por isso é importante a hidratação, mantendo equilibrados os níveis de água e por sua vez, da temperatura. Mas não exagere... 250ml por hora é o suficiente: Em virtude do aumento da temperatura corporal e até mesmo da ansiedade, os usuários podem ingerir uma grande quantidade de água que por sua vez não é eliminada, visto que outro efeito do MDMA é de estimular a secreção do hormônio antidiurético. Isso faz com que os níveis de sódio no sangue sejam diminuídos drasticamente. Essa alteração é conhecida por hiponatremia. Ela se manifesta por cefaléia, náuseas, vômitos, fadiga, confusão mental, coma e convulsões de difícil controle. Para diminuir os riscos: intercale as garrafas d'água por líquidos isotônicos como gatorade, água de coco e sucos de frutas. ""Álcool hidrata mais rápido que água"", disse meu amigo: Não caia nesse, a mistura de álcool e estimulantes aumentam os perigos de ambos. Mas vamos falar de combinações de drogas e seus efeitos no próximo post. Veja mais: Ecstasy (MDMA): efeitos farmacológicos e tóxicos, mecanismo de ação e abordagem clínica: http://www.scielo.br/pdf/rpc/v35n3/02.pdf Erowid MDMA - https://erowid.org/chemicals/mdma/mdma.shtml Dossier - Ecstasy: http://www.ibmc.up.pt/e-drogas/PDF_geral/DOSSIER_ECSTASY.pdf DOSE PARA SE SENTIR BEM, NÃO PARA IR ALÉM Existem doses e doses. Cada substância age de maneira diferente no corpo e tem sua dose ativa específica. Cada organismo responde de uma maneira a mesmas doses. Cada substância tem um tempo diferente pra começar a fazer efeito, aguarde pelo menos 2 horas antes de decidir usar mais, porque os efeitos ainda podem aparecer. Mas vale lembrar que você cria uma tolerância instantânea a maioria das substâncias, mesmo que não sinta claramente os efeitos. Essa redose não vai ter o mesmo efeito do que se você deixasse pra tomar em um outro dia sem ter usado nada antes. O melhor a fazer é deixar para outra oportunidade. A dose que é ideal para o seu amigo pode ser alta demais para você. O peso importa. O sexo também importa, mulheres são mais sensíveis a estimulantes. Você sempre pode recalcular a próxima dose, mas nunca pode reduzir o que já foi ingerido. Veja mais: MDMA e outros estimulantes podem representar um risco maior para mulheres: https://www.preparty.com.br/forum4/index.php?/topic/615-mdma-e-outros-estimulantes-podem-representar-um-risco-maior-para-mulheres DROGAS COMBINADAS, RESULTADOS ARRISCADOS Combinar drogas é comum e muitas vezes potencialmente perigoso. Existem várias razões pelas quais os usuários utilizam substâncias em combinação. Para alguns, é feita ao acaso, sem pretensão ou previsão. Para outros, a combinação é planejada para que se alcance algum efeito específico ou simplesmente um aumento do mesmo. Quando se trata do uso simultâneo de drogas, algumas interações devem ser levadas em conta para evitar surpresas. Algumas delas chegam a ser letais. O pessoal do TripSit criou uma tabela que mostra os possíveis riscos de combinar a maioria das substâncias: http://wiki.tripsit.me/wiki/Drug_combinations Além da tabela gráfica, no link abaixo você digita o nome da substância e vê detalhes sobre essas interações: http://drugs.tripsit.me/ IMPORTANTE: O baixo risco na combinação não garante a segurança. Cada organismo pode responder de maneira diferente. E mais, você pode achar que está tomando uma coisa mas pode ser outra. Veja mais: https://www.preparty.com.br/forum4/index.php?/topic/811-como-usar-o-guia-de-combinação-de-drogas-do-tripsit/ VICE: O QUE ACONTECE COM O CORPO E CÉREBRO DE QUEM MISTURA DROGAS? https://www.vice.com/pt_br/article/78zqp9/mistura-drogas-corpo-cerebro O QUE SOBE TEM QUE DESCER ""A conta sempre vem, o que podemos fazer é garantir um desconto na fatura"" O uso de drogas, principalmente as estimulantes afetam diretamente nossos neurotransmissores. Estes, responsáveis pelo nosso humor, sono, apetite e muitas outras funções do nosso corpo. Você provavelmente já ouviu falar dos neurotransmissores dopamina, serotonina, adrenalina e oxitocina. Podemos não ter uma árvore de dinheiro, mas podemos ter uma árvore de felicidade. Esse quarteto é o responsável por ela. Após estimulados pelo ab(uso) de drogas é necessário um tempo para que o corpo se recupere e pra isso ele precisa trabalhar duro. É aí que vem os efeitos negativos dos dias seguintes, conhecidos como ressaca, rebordose ou ""come down"". Alguns efeitos comuns relatados são: irritabilidade, tremores, sudorese, náusea, insônia, enxaqueca e vários outros. Cada organismo age de uma maneira e você pode não ter nenhum desses efeitos como pode ter todos ou outros que não foram citados. Se você não respeita intervalos e usa essas substâncias todo fim de semana, usa doses altas ou ""redosa"" várias vezes na mesma noite esses efeitos serão cada vez piores e mais presentes. Além de respeitar o intervalo, evitar doses altas e ""redosagens"", o que podemos fazer pra diminuir esses efeitos? Alimentação, exercícios e descanso. Veja mais: COMA BEM, FAÇA EXERCÍCIOS E SEJA FELIZ: https://www.preparty.com.br/forum4/index.php?/topic/547-coma-bem-faça-exercícios-e-se-mantenha-feliz COMO FUNCIONAM OS NEUROTRANSMISSORES: https://www.preparty.com.br/forum4/index.php?/topic/571-a-experiência-psicodélica-parte-3-final RELATOS SOBRE RESSACAS E EFEITOS NEGATIVOS: https://www.preparty.com.br/forum4/index.php?/topic/611-relatos-sobre-mdma-ressaca-efeitos-negativos-e-perda-da-magia VOCÊ JÁ SENTIU “CHOQUES NO CÉREBRO” APÓS O ABUSO DE MDMA? COMO EVITÁ-LOS? https://www.preparty.com.br/forum4/index.php?/topic/567-você-já-sentiu-“choques-no-cérebro”-após-o-abuso-de-mdma-como-evitá-los EAT - RAVE - SLEEP - REPEAT Junto com todas as outras recomendações básicas de redução de danos existe uma muito importante, que muitas vezes não é levada a sério e torna-se um erro muito comum, principalmente nos eventos de vários dias consecutivos: NÃO DORMIR O SUFICIENTE. Os problemas da falta de sono: - baixa imunidade - aumento da frequência cardíaca - dores musculares - redução da capacidade de concentração - irritabilidade - dores de cabeça - déficits de serotonina - tontura - alterações no metabolismo - indisposição Todos efeitos acima, já estão comprometidos pelo uso de drogas - principalmente por dias consecutivos - e serão agravados pela falta de sono. Você não precisa ficar acordado 3 dias seguidos, nem dormir somente algumas horas pra poder curtir. Quando sentir cansaço, ao invés de usar mais substâncias para poder ficar acordado, durma e volte mais disposto para os próximos dias. O ideal é que durma pelo menos 6 horas consecutivas. SE USOU DROGAS, NÃO DIRIJA Mesmo que aparentemente os efeitos tenham passado, você provavelmente não está em condições de dirigir após usar psicodélicos, estimulantes ou depressores e passar algumas horas a todo vapor numa pista de dança. Não há estatísticas confiáveis sobre o número de acidentes causados por drogas específicas, mas graças aos estudos, sabemos um pouco sobre o que certos produtos químicos fazem com suas habilidades de condução. Algumas drogas passam por etapas de efeitos que podemos chamar de inicio, meio e fim. Existem outras que ainda tem efeitos posteriores, como o LSD ou o ECSTASY. Você ainda tem resquícios, sensações que podem dificultar sua atenção num momento em que você mais vai precisar dela. Se você estiver a 50 km/h e desviar a sua atenção por 1 segundo, você anda 14 metros às cegas. Isso pode ser fatal. Quais drogas são mais perigosas para dirigir? https://www.vice.com/en_us/article/wd4mpn/what-effects-different-drugs-have-on-your-driving-991
  23. 2 pontos
    Mais uma sessão de terapia, mais uma chance de me conhecer melhor e entender o que me alegra, o que me aflige e por que tento evitar certas emoções. A minha terapeuta chega, se apresenta vestida em um copo de vidro e com uma expressão neutra. Nos segundos que antecedem o encontro com minha terapeuta sempre sinto ansiedade, um pouco de medo e uma tímida euforia. Ainda não sei qual vão ser os tópicos que vamos conversar, mas ela tem uma habilidade incrível de me conduzir de maneira primorosa para um ambiente mental de maior compreensão e entendimento, mesmo que para isso precise passar por becos escuros e incômodos da minha própria existência. A sessão se inicia. A sua agilidade e liquidez em transformar emoções cruas em informações valiosas para minha vida me surpreendem até hoje, afinal, como é que em tão pouco tempo de sessão terapêutica ela consegue me mostrar coisas que eu não conseguia enxergar a anos? A conversa toma um rumo inesperado, começo a ter vontade de chorar, e inicio um uma jornada em mares turbulentos que demanda uma elasticidade emocional e mental que até pouco tempo atrás não sabia que possuía. Mais uma característica sublime da minha terapeuta, ela como ninguém me leva até meus extremos e me apresenta a possibilidade de criar uma verdadeira resiliência emocional, uma verdadeira oportunidade de aprender a abrir mão da falsa idéia de controle que acredito ter sobre minha vida e apenas confiar que no final o resultado de abrir mão do controle será extremamente positivo. Após abandonar a direção da minha jornada, abrindo mão do controle, navego por águas serenas, calmas e de uma visibilidade incrivelmente cristalina. Consigo me entender, me perdoar e reavaliar minha relação comigo mesmo. Ainda que o mar pareça sereno, estou em estado de êxtase profundo com as informações passadas por minha terapeuta, e nesse momento da jornada, eis que ela me surge com uma informação que sempre me parece pertinente e não tendo a dar a real importância no dia a dia. Como o amor de uma mãe junto ao seu filho recém nascido combinado com uma disciplina exemplar de um pai preocupado com o desenvolvimento de sua criança, minha terapeuta se aproxima e me diz: Seja grato pela vida, ela é uma milagre.
  24. 2 pontos
    O Trip Sitter é uma pessoa que atua como uma “babá” de alguém durante uma viagem psicodélica. Vamos dizer que ele é o copiloto da viagem. Ele deve permanecer sóbrio e ser de muita confiança do usuário. Nesse texto, é tratado sobre o siiter de uma sessão psicodélica no contexto de terapia, não no ambiente recreativo. Traremos outro texto traduzido do Zendo Project em breve pra falar melhor sobre isso. O texto é de Jonn Maps que tem um ótimo blog (Maps Of The Mind) sobre a cultura dos psicodélicos. ______________ ""O workshop foi liderado por Marc Aixalà, engenheiro e psicólogo espanhol que trabalha como psicoterapeuta integrativo. Entre sua experiência com psicodélicos, Marc trabalhou como coordenador da KosmicAid (Kosmicare) - uma empresa que presta socorro às pessoas que passam por experiências difíceis relacionadas a drogas em grandes festivais como o Boom Festival. Ao longo do workshop, Marc nos contou algumas histórias de seu trabalho para ilustrar pontos e ficou bastante claro que ele tem uma experiência considerável nesta área. Eu pude ver por que ele foi convidado a liderá-lo. A oficina foi basicamente uma apresentação e, enquanto uma maior interação poderia ter sido aproveitada, muitos aspectos foram abordados. Para lhe dar uma ideia, os tópicos abrangidos incluem: os efeitos de diferentes substâncias psicodélicas e os desafios de um sitter único para cada um; as diferenças entre os papéis de cada um - xamã, sitter, facilitador, guia e terapeuta; como mostrar parar as pessoas para uma sessão psicodélica e como se preparar para ela; e como a personalidade pode afetar a reação à experiência. E muito mais. O pequeno permitiu a interação entre nós e para Marc parar para ouvir as perguntas. Embora definitivamente existisse um certo nível de profissionalismo de Marc e a maioria dos participantes estava claramente lá para aprender, a atmosfera estava relaxada e havia espaço para rir. Foi a primeira vez que Marc deu essa oficina em particular e preparou muito material para atender às 4 horas atribuídas, então ultrapassamos esse tempo em quase 1 hora. Eu estava realmente feliz com isso, aprendi muito. Gostaria de compartilhar 5 pontos que eu destacaria do workshop: 1. A cura acontece através da intensificação Os psicodélicos podem facilitar a cura, intensificando as emoções em torno de qualquer problema difícil que seja - conscientemente ou subconscientemente - evitado. Essa intensificação permite que as emoções difíceis e reprimidas sejam plenamente experimentadas e expressadas e, ao fazê-lo, alcancem suas conclusões naturais. Isso pode ser entendido nos processos pelos quais a cura psicológica ocorre - projeção, transferência e catarse. No contexto de uma viagem terapêutica, isso significa que alguém que experimente emoções ou sensações difíceis deve ser encorajado a se render a elas, em vez de resistir. 2. As pessoas se curam sozinhas Ninguém pode ter uma experiência pelo outro. Isso também vale para a cura ou mudança de perspectiva. Cada pessoa deve passar pelo processo por sua conta e alcançar sua própria compreensão, aceitação e resolução de qualquer problema preocupante. Então, o papel do Sitter será geralmente passivo e solidário. Marc usou uma ótima analogia para isso: se você tiver um corte em seu braço, você não vai ativamente em curá-lo. Você limpa a ferida, repara-a e, em seguida, permite que a cicatrização ocorra. Da mesma forma, o trabalho de um sitter é estabelecer e manter as condições propícias ao processo de cura - um ambiente seguro que permita a alguém se curar. 3. Limites claramente definidos são úteis É útil definir claramente as ""regras do jogo"" antes de uma sessão: o nível e o tipo de interação entre o usuário e o sitter, que controla a escolha e o nível da música e quais atividades, se houverem, serão realizadas. Definir essas fronteiras com antecedência irá incentivar sentimentos de segurança e tranquilidade e ajudar a criar um espaço emocionalmente seguro para a sessão. 4. A abordagem é mais importante do que as ações Uma abordagem calma, centrada e de apoio é mais importante do que qualquer guia ou sitter pode dizer ou fazer. Não é suficiente lembrar certas ações ou seguir uma rotina definida, cuidar e apoiar vai além disso - uma sessão efetiva exige intuição, compaixão e um nível de autoconsciência. 5. Qualidades que fazem um bom sitter não são quantificáveis Trip-sitting não é uma ciência - é uma combinação de uma arte e uma ciência. Embora um certo nível de conhecimento possa ser muito útil em alguns aspectos, o caráter e as motivações são mais importantes. Marc usou ponto em um debate na conferência, explicando que ele preferiria ter um carpinteiro atencioso e honesto cuidando dele do que um psicólogo totalmente qualificado que não possui essas qualidades. Atributos desejáveis de um sitter durante uma sessão: -Uma disposição amigável e equilibrada -Mostrar com facilidade compaixão e vontade de ajudar os outros -Outras pessoas se sentem confortáveis ao seu redor -É receptivo às questões sociais e corporais -Pode se comunicar de forma clara e apropriada -Não evita o contato visual _____________ Isso representa uma situação difícil para o movimento psicodélico. Se essas substâncias fossem legalizadas para cuidados de saúde e terapia, haveriam perguntas sobre quem pode, deve ou está qualificado para administrar essas substâncias e supervisionar as sessões. Alguns profissionais do campo já declararam sua crença de que as sessões psicodélicas só devem ser supervisionadas por profissionais médicos qualificados. Mas se as qualidades mais importantes não forem mensuráveis, seria muito difícil para qualquer órgão regulador atribuir qualificações adequadas ou conceder licenças para administrar sessões com psicodélicos. Numa sociedade e cultura que não gosta de acreditar em qualquer coisa que não possa tocar, pesar, medir ou quantificar - isso é um problema complicado."" _________________ Fontes, referências e recomendações: http://mapsofthemind.com/2017/09/29/5-takeaways-tripsitting-workshop/ https://en.wikipedia.org/wiki/Trip_sitter https://psykedelisksamfund.dk/ https://www.youtube.com/watch?v=Hvr91PoneLQ https://www.wikihow.com/Be-a-Trip-Sitter"
  25. 2 pontos
  • Newsletter

    Quer se manter atualizado com todas as nossas últimas notícias e informações?

    Cadastre-Se
×